domingo, 11 de agosto de 2019

Moon's Fandom Festival


Nome: Moon's Fandom Festival
Editora:NA
Autor: IADVD
Ano de lançamento: 2019
Género: Aventura gráfica
Teclas: Não redefiníveis
Joystick: Kempston, Sinclair
memória: 48 K
Número de jogadores: 1

IADVD tem vindo a dar cartas no panorama do Spectrum ultimamente, lançando jogos com grande frequência. Utiliza sempre o motor MK1, no entanto, a sua imaginação é bastante fértil, e em cada lançamento há sempre qualquer coisa inovadora e que antes não tinha sido pensada. E isto volta a acontecer com Moon's Fandom Festival, entrando num género que nem sequer parecia ser possível criar-se com o MK1, a aventura gráfica, socorrendo-se para tal do MGA ( Mini Graphic Adventure).

Nesta aventura assumimos a pele de uma heroína feminina, Moon, a rainha dos jogos homebrew para o ZX Spectrum, e que foi convidada para o festival retro "Petunia Town Fandom Festival". Neste festival todos os stands estão relacionados com filmes e séries de TV das décadas de 80 e 90 dos século passado, está tudo pronto para o seu início e Moon vai mostrar o seu novo jogo, "Moon's Fandom Festival". Mas quando se preparar para ir buscar o jogo e o computador ao seu armário, surge um grande contratempo: não se lembra da senha digital que abre o cacifo. Tem agora que recorrer aos colegas dos stands vizinhos, pois cada um deles tem uma peça que vai ajudar a quebrar o código. O problema é que primeiro teremos que ganhar a confiança deles, só depois iremos ter abertura para entrar em conversações mais profundas e, quem sabe, termos direito ao prémio.

Esses colegas, e que são personagens-chave na aventura, têm características muito especiais e que remetem para produções e figuras bem conhecidas:
  • Bob (fã de Pwin Teaks): fala uma espécie de linguagem própria que ninguém entende e sabe tudo sobre o programa de TV dos anos 80, "Pwin Teaks".
  • Germione (fã de Parry Hotter): a pequena Germione é uma garota muito esperta que se quer tornar feiticeira. Vai a todos os lugares com o seu gato, o Wiskers. 
  • Koji Bakuto (fã de Zazinger-M): é um adolescente muito corajoso, mas por vezes rude. Adora os "mechas" (robôs de estilo japonês).
  • Dick Reckard (fã de Rade Blunner): Por alguma razão ele suspeita de todos, e só se tornará nosso amigo depois de lhe mostrarmos que somos humanos.
  • Zork (fã de X-Flies): pouco se sabe sobre esse homem verde, excepto que é verde e detesta plástico.
  • John Doe (fã de Nuck Chorris): muito tímido, conhece como ninguém tudo sobre Nuck Chorris, a lenda das artes marciais, com quem aliás é demasiado parecido.

O jogo decorre no recinto do festival. Este não é muito grande, cerca de meia dúzia de salas, incluindo o restaurante, onde arranjamos os hambúrgueres que vão aplacar a fome dos nossos colegas.  As portas da salas especiais necessitam também de um cartão de acesso, pelo que a sua obtenção será uma das nossas prioridades.

Conhecer em pormenor cada um dos personagens é também meio caminho andado para se conseguir avançar nesta aventura, pois teremos que perceber as expectativas de cada um, de forma a ir preenchendo as suas necessidades e caprichos. À medida que as vamos satisfazendo, seja as relações de amizade, seja as necessidades básicas (comida), os ícones vão sendo preenchidos com um hambúrguer ou com um coração, ou então com o objecto específico de cada um. Se ficarmos bem vistos, isto é, obtivermos todos os objectos e pedaços de informação,então iremos ter algo em troca, nomeadamente o objecto que está em exposição na banca.

A primeira tarefa será então explorar profundamente todo o recinto, procurar em todos os recantos por objectos ou pedaços de informação que nos poderão vir a ser úteis (atenção que apenas temos espaço para três objectos e três pedaços de informação de cada vez), mas acima de tudo começar a ganhar a confiança das restantes personagens-chave (os donos do stand). Para isso teremos que falar com eles, mas também com os restantes fãs que vão cirandando as bancadas, pois vão contribuindo com algum conhecimento (a tal informação) que depois poderemos servirá de moeda de troca, não esquecendo que as revistas e magazines também podem contribuir com alguma informação.

Curiosa a forma como vamos dialogando com as restantes personagens: depois de termos reunido a informação e os objectos, estes ficam disponível nos menus para serem utilizados. Nem sempre são úteis e devemos ter também atenção aquilo que vamos dizendo aos nossos interlocutores. Temos todo o interesse em evitar irritá-los, pois a única coisa que se consegue dessa forma é levar a aventura a um fim prematuro.


Para se conseguir chegar ao fim da aventura é também necessário seguir-se uma ordem pré-definida. Em primeiro lugar necessitamos de concluir as pequenas tarefas, isto é, satisfazer as expectativas dos nossos interlocutores, para só depois podermos recuperar os objectos principais que vamos dar a cada um, e finalmente ir ao armário apanhar o Spectrum e o jogo, que deverá ser depositado na nossa banca. Além disso o jogo tem dois finais finais diferentes, correspondente aos dois modos de jogo que são possíveis de ser seleccionados no menu inicial: Niilista e Recorrente.

Moon's Fandom Festival é uma aventura que apresenta uma muito maior complexidade daquela que se poderia esperar inicialmente. Certamente que aqueles pretendem um jogo imediato e que não obrigue a utilizar as células cinzentas, não vão estar aqui na sua praia. Para se poder avançar na aventura, terá que haver em primeiro lugar uma fase exploratória, e só depois poderemos começar a pensar na forma de resolver os quebra-cabeças. Quer isso dizer que para se chegar ao fim iremos necessitar de algumas horas (necessitámos de três a quatro horas para a terminar), e isso poderá afastar alguns. No entanto, o jogo é bastante funcional, com gráficos atractivos e diálogos sempre num tom muito bem humorado, pelo que mesmo aqueles que não estão habituados a este género de jogos, rapidamente se deixarão seduzir por ele.

Recomenda-se assim perseverança, pois vamos necessitar dela. Parece-nos que será devidamente recompensada, pois assim que as peças do puzzle começarem a encaixar, rapidamente ganhamos motivação para ajudar a heroína dos jogos do Spectrum a encontrar o seu computador e o jogo que tão afincadamente preparou. Como ponto menos positivo apenas a aleatoriedade na recolha da informação e dos objectos, levando a que por vezes seja necessário repetir os processos durante muito tempo.

Nota máxima para a história e para a ideia, estando ainda Moon's Fandom Festival bem implementado, convidando todo o tipo de jogadores a experimentarem o jogo, mesmo aqueles que apenas gostam de jogos de arcada.

2 comentários:

  1. Wow! I do not what to say except thanks and I will try to do it better next time! You are right about the time required to get new information! I need to enhance that!!! :)

    ResponderEliminar