quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Rescate en Marte


Nome: Rescate en Marte
Editora: NA
Autor: Jose Manuel Gris
Ano de lançamento: 2019
Género: Acção
Teclas: Não redefiníveis
Joystick: Não
Memória: 48 K
Número de jogadores: 1

Quem disse que o Basic era uma linguagem de programação morta? Nós não, seguramente, e os lançamentos que têm aparecido nos últimos tempos criados exclusivamente com recurso a essa linguagem confirmam que está viva e bem viva. Ao contrário de alguns dos colonos do planeta Marte, que já passaram para o lado de lá...

Assim, em 1950 Marte foi colonizada por seres humanos. Mas mais de trinta anos após a primeira aproximação ao planeta vermelho, em 1982, os colonos são atacados por uma raça marciana desconhecida e muito agressiva, que emerge das profundezas do planeta, disposta a eliminar qualquer vida humana invasora. A nossa missão é fugir do planeta vermelho e resgatar todos os colonos vivos que encontrarmos no caminho (também encontraremos alguns mortos, mas esses esqueçam-nos).


O jogo é composto por 10 níveis (começamos no décimo, até atingirmos o primeiro), e a cada nível corresponde um ecrã diferente. Para conseguirmos avançar, temos que resgatar três colonos dispersos pelo cenário, mas sempre em locais pouco recomendáveis, pejados de nativos do planeta vermelho. Isto porque além do veículo de resgate que controlamos não poder bater nas paredes ou em qualquer obstáculo, os marcianos deslocam-se com uma rapidez estonteante (trabalho notável de Jose Manuel, mesmo estando perante Basic compilado), e se esses nos tocam, perdemos mais uma vida. Vá lá que o autor foi generoso nesse aspecto, mas por outro lado, que raio de veículo que ele nos colocou na mão que nem resiste ao impacto com um marciano?

E o autor conseguiu ainda dificultar-nos mais a tarefa: alguns dos marcianos disparam sobre nós, e o veículo tem uma reserva de combustível muito limitada (75 unidades). Vá lá que nos cenários existem vários pontos de abastecimento (marcados com um"E"), e a eles temos que nos deslocar com muita regularidade, mesmo que para isso fiquemos sujeitos aos disparos inimigos. Se o depósito de combustível chegar a zero, mais uma vida se perde, pelo que é absolutamente fulcral planear muito bem o caminho que se pretende fazer, sendo o mais curto muitas vezes o único possível. Escusado será dizer que os marcianos estão colocados estrategicamente para nos apanharem na curva, isto é, naqueles pontos que temos que obrigatoriamente passar para ir ao reabastecimento ou para resgatar os nossos camaradas.


Os cenários são vermelhos, como seria de se esperar, e os sprites são bastante razoáveis, não faltando sequer o marciano verde. Tendo em conta que tudo foi programado em Basic, mais uma vez se nota o cuidado e esmero que Jose Manuel dedicou a este seu projecto. Já ao nível do som, é o possível, não deixando ninguém deslumbrado (se é que alguém esperaria isso).

Por vezes o sistema de colisão parece falhar, pois aconteceu-nos passar por um marciano sem que algo nos acontecesse, e noutras vezes fomos atingidos por um disparo quando este ainda estava a alguma distância. Talvez o problema esteja na temporização ou velocidade de processamento, de qualquer forma isto são apenas pequenas vicissitudes que não retiram a vontade de chegar ao fim.

Rescate en Marte foi assim um desafio ambicioso por parte de Jose Manuel, num estilo de jogo que poderia não se adequar totalmente à linguagem de programação com que foi criado. Mas o resultado é bastante satisfatório, sendo mais interessante que muitos produtos criados em código máquina. Se pensavam ter aqui um exercício pausado, esqueçam isso, Rescate en Marte é frenético... 

Sem comentários:

Publicar um comentário