quinta-feira, 14 de maio de 2020

Drive Me Crazy!


Nome: Drive Me Crazy!
Editora: NA
Autor: Marco Varesio
Ano de lançamento: 2020
Género: Acção
Teclas: Não redefiníveis
Joystick: Não
Memória: 48 K
Número de jogadores: 1

Quem passou pelos primeiros tempos do Spectrum, entre 1982 e 1984, decerto se recordará de digitar os inúmeros type-ins que as revistas e livros da época traziam. E este Drive Me Crazy! trouxe-nos precisamente isso à memória, fazendo-nos ainda lembrar um jogo em particular, Race Fun da Rabbit Software (1983), embora sendo este último um pouco mais elaborado, até porque utiliza código máquina. Por outro lado Drive Me Crazy! foi programado em Basic puro, sendo mais um concorrente na competição BASIC 2020

O objectivo é levar a nossa viatura a passar em segurança uma estrada bastante movimentada e recheada de obstáculos, cruzando a linha da meta. Não existe um tempo para cumprir, no entanto competimos pelos pontos, e estes estão relacionados com a distância cumprida, os galões de combustível recolhidos, o número de carros disponíveis no final (começamos a viagem com três), e ainda um bónus para quem chega ao fim. Marco Varesio foi inteligente na forma como adicionou esta funcionalidade ao seu jogo, existindo assim um verdadeiro objectivo para se atingir, não somente chegar com a viatura ao final da estrada.


Outra funcionalidade engraçada são os três tipos de estradas existentes, correspondendo a diferentes níveis de dificuldade. Assim, a auto-estrada tem vias bastante largas, e até os mais aselhas ao volante conseguem chegar ao fim. Segue-se o campo, com uma estrada bastante mais apertada, mas que mesmo assim é relativamente fácil de se cruzar a linha de chegada. Já a condução em cidade é bastante mais difícil, e aqui, apenas os ases da condução irão ser bem sucedidos, não estampando o seu bólide.

Sendo programado em Basic, o movimentos das viaturas não é muito fluido, sendo feito frame a frame. Por um lado facilita a nossa tarefa, pois mais facilmente evitamos as outras viaturas e obstáculos, bem como contornamos as curvas. Por outro, retira-lhe alguma velocidade e jogabilidade.

Gráficos muito simples e som básico completam o ramalhete, sendo assim apresentado um jogo engraçado e despretensioso, e que irá conferir alguns momentos divertidos. No fundo seria certamente aquilo que o programador pretendia.

Sem comentários:

Publicar um comentário