sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Sochi Nights


Nome: Sochi Nights
Editora: NA
Autor: SGL Team
Ano de lançamento: 2019
Género: Aventura
Teclas: Não redefiníveis
Joystick: Não
Memória: 48 K / 128 K
Número de jogadores: 1

Sochi Nights ficou mal classificado na competição Yandex Retro Games Battle 2019, (em penúltimo lugar), o que não é de estranhar, pois de jogo tem muito pouco, mas se houvesse galardão para a proposta mais estranha, seguramente vencia. Até a escolha das teclas é incomum para um jogo do Spectrum (WASD/Space/Enter), sem possibilidade de ser redefinida, o que ainda ajuda mais à festa.

O objectivo, se é que a isso se pode chamar, é de conduzir uma viatura de Moscovo para Sochi, combinando um misto de aventura, no qual temos que procurar certo objecto, antes de ir procurar o carro que permite fazer a viagem, com uma segunda parte que pretende ser uma simulação da condução. O problema é que quer uma, quer outra, são injogáveis, recheadas de bugs, nomeadamente na parte da condução. E em ambas temos um sentimento de que andamos aos papéis, sem saber o que fazer.

E o "jogo" até começa bem, com algumas imagens bastante engraçadas, mas que depois não têm correspondência com os gráficos do jogo, que são muito fracos. Aliás, a única coisa que é minimamente aceitável em Sochi Nights é a música, que está acima de tudo o resto (não que seja particularmente atractiva, mas o restante é muito fraco).

Na primeira parte, vista de cima à la Into the Eagles Nest, o nosso personagem encontra-se no departamento de  I&D e parte em busca de um objecto, que não conseguimos identificar (será a chave do carro?). Não sendo o mapa particularmente grande, rapidamente damos com ele, e por artes mágicas somos transportados para a garagem. Aí temos que encontrar o carro, o que também acontece rapidamente. Não existe nada, nem ninguém, que nos impeça de o fazer, não se percebendo sequer o sentido desta primeira parte do jogo. Até o próprio mapa é estranho. Experimentem e irão ver o que queremos dizer.


A segunda parte do "jogo" ainda é mais alucinante, pois ao volante do carro tentamos chegar a Sochi. Eventualmente vamos lá ter, não se percebendo como, nem porquê. Aliás, nada disso faz sentido, e bugs há com fartura, desde o programa bloquear, a música parar, até na parte da condução conseguirmos atravessar o ecrã de um lado, aparecendo no outro, pelo meio passando por cima de todos os obstáculos.

A sensação com que ficámos é que o jogo ficou inacabado, não sendo mais do que um conjunto de imagens engraçadas. Pode ser que no futuro a equipa programadora retome o projecto e apresente algo jogável, pois da forma que está, não irá ser do agrado de ninguém.

Sem comentários:

Publicar um comentário