sábado, 4 de janeiro de 2020

Space Monsters Meet the Hardy


Nome: Space Monsters Meet the Hardy
Editora: NA
Autor: MAYhEM & CONSCIENCE
Ano de lançamento: 2019
Género: Acção
Teclas: Redefiníveis
Joystick: Kempston, Sinclair
Memória: 48 K / 128 K
Número de jogadores: 1

Surgiu um novo herói na cena do Spectrum: Hardy! E tal como o nome indica, é um verdadeiro durão, dando saltos espectaculares, tendo uma velocidade estonteante e limpando o sebo a qualquer alienígena que tente invadir-nos. Esta é a proposta de um dos jogos mais apreciados da competição Yandex Retro Games Battle 2019, tendo ficado no segundo lugar do pódio, quer na votação dos júris, quer na popular.

A tarefa de Hardy, que é como quem diz a nossa, é encontrar e neutralizar os monstros espaciais escondidos nos labirintos dos vários níveis (são 9, embora o último seja apenas o corolário da nossa batalha épica). Para aceder entre os níveis existem elevadores, mas só funcionam após encontrarmos o cartão de acesso. Estes estão devidamente guardados pelos alienígenas, que vão patrulhando os corredores da nave e que se nos tocam fazem diminuir a nossa energia a uma velocidade alucinante. Outros obstáculos encontram-se pelo caminho, nem todos hostis, embora a maior parte tenham como consequência o roubo de mais energia. E há que ter cuidado com as quedas, não vamos nós aterrar em alguma armadilha fatal. Mas o maior inimigo é mesmo o tempo, pois este é muito curto, sendo que apenas conseguimos passar de nível depois de recolhermos o cartão de acesso e encontrar o tele-transportador.


A nosso favor, Hardy tem uma grande agilidade, que nos permite uma velocidade estonteante e um poder de salto fabuloso, além de um laser que neutraliza os inimigos. Aliás, o primeiro factor a dominar-se neste excelente jogo é o salto. Descolocando-se Hardy a grande velocidade, não é fácil conseguir aterrar-se no local pretendido. E estando uma boa parte do piso armadilhado, não raras vezes vamos parar por cima dos campos electrificados, diminuindo a nossa energia.

O segundo factor a ter que ser dominado é o sentido de orientação. A nave, especialmente nos níveis mais avançados, é labiríntica, e tendo em conta que o tempo para se encontrar o cartão de acesso e o tele-transportador é muito curto, em alguns níveis a primeira coisa que se tem que fazer é explorar os corredores. Só depois se conseguirá delinear o melhor caminho a fazer, por forma a conseguir chegar-se ao final do nível sem que o tempo se esgote.

Finalmente, no oitavo nível encontra-se Mekon, desculpem, o Big Boss, uma aberração vinda do outro mundo, que necessita de uma dose elevada de chumbo até ir assombrar outras paragens. Só que esse também dispara contra nós, e antes de o conseguirmos derrotar, teremos que penar muito.


Outro pormenor de Space Monsters Meet the Hardy é que suporta o modo ULAplus. E é um verdadeiro delírio para os sentidos, as cores parece que ganham vida, não fazendo o ecrã de cima o devido reconhecimento a todas as potencialidades deste sistema. Quase que apetece terminar o jogo no modo normal, e logo de seguida repetir a proeza neste modo com cores expandidas, para se ver a diferença.

Por vezes Hardy faz-nos também lembrar Dan Dare III. Para o bem e para o mal (já lá vamos a esta parte). Assim, a jogabilidade é fantástica, com uma movimentação brilhante das personagens, com sprites magníficos, e um som ao (excelente) nível de tudo o resto. Caso para dizer que a equipa programadora não deixou nada ao acaso, todos os pormenores estão devidamente tratados. Mesmo sem se tentar cumprir com os objectivos de cada nível, é um prazer imenso explorar todos os cenários.


Qual é então o único senão de Space Monsters Meet the Hardy? O mesmo de Dan Dare III, isto é, sabe-nos a pouco. É que apesar dos oito níveis do jogo (nove se contarmos com o final, que não tem inimigos), alguns são muito curtos e rapidamente se consegue ir avançando. Os últimos, descontando o final, já dão mais alguma luta, em especial a batalha com a aberração, no entanto não irá demorar muito tempo até se conseguir terminar o desafio.

Claro que temos que reconhecer que milagres não existem, e com tanta coisa seria complicado colocar tudo em apenas 48 K (o modo 128K inclui uma melodia muito boa). Assim, a forma mais óbvia foi reduzir o número de níveis, não comprometendo a qualidade do jogo. A nosso ver foi a melhor opção que a equipa poderia ter tomado, pois vai ter a oportunidade de apresentar uma sequela ao segundo classificado da competição Yandex, galardão inteiramente justo, sendo também,  sem dúvida alguma um dos melhores jogos do ano.

É caso para dizer que, tal como Chico Bill, Hardy é duraço, como palha de aço!

4 comentários:

  1. Two of screenshots are wrong: the game engine by Alone Coder is using multicolor technique, and two screenshots are showing a corrupted picture without right colors.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fixed one of the screenshots. The multicolor was not activated when playing the first time, hence the difference in the colours

      Eliminar
  2. No need to "activate" multicolor, it just works when you use a proper emulator with a proper hardware for certain version of a game. Also this game not support ULAPlus and moreover now ALL screenshots are broken, sorry mate :)

    ResponderEliminar