sábado, 20 de julho de 2019

Grussu acaba de lançar Ad Lunam


Para celebrar os 50 anos da chegada do homem à Lua, Alessandro Grussu lançou Ad Lunam. Este jogo é substancialmente diferente dos restantes deste profícuo programador, primeiro porque foi criado em Boriel Basic, depois porque é um jogo puro de gestão / estratégia.

A ideia é vencermos a corrida espacial, para isso escolhendo-se o lado americano ou o lado soviético. Sim, o jogo é passado numa altura em que a União Soviética ainda existia (inicia-se na Primavera de 1955). Temos assim aqui um desafio muito ao nosso gosto.

Tenham em atenção que esta é apenas uma versão provisória do jogo, podendo conter alguns bugs. A versão final irá ter som, algum grafismo, possibilidade de save/load, expansão da IA, eventos inesperados, comentários traduzidos para inglês, etc.. Quando essa sair, faremos a review completa.

Ad Lunam poderá ser aqui descarregado.

Invasion of the Cloud People


São imensos os jogos que todos os meses saem para o Spectrum e nem sempre temos tempo para fazer uma review detalhada ou completa. Guardamos essas para os jogos mais extensos ou mais mediáticos, não querendo isso dizer que alguns dos outros não merecessem tratamento mais personalizado, ou que tenham menor qualidade, mesmo sendo escritos em Basic (ultimamente temos tido excelentes exemplos de bons jogos programados exclusivamente nessa linguagem).

Isto tudo para nos desculparmos de alguns dos jogos que apareceram nos últimos tempos apenas terem uma menção mais breve, como é o caso daqueles criados pelos alunos da escola primária de Bearsden, algumas aventuras de texto (sempre bastante consumidoras de tempo, factor demasiado escasso), ou este Invasion of the Cloud People, primeiro jogo de Thomas TJ Ferreira, americano que até tem um apelido bem português e que é bem activo nas redes sociais. Já se encontrava há algum tempo nos nossos "pendentes" e arranjámos agora um tempinho para o experimentar.

O jogo tem algumas particularidades interessantes, logo a começar pelo manual que o acompanha, mas sobretudo por um ficheiro adicional com as instruções, muito ao estilo de alguns jogos do Spectrum do período 83/84. Ficamos então a saber que a nossa missão é salvar os habitantes da Terra, invadida pelo pessoal das nuvens ("cloud people"), que andavam escondidos na forma de tempestades e agora resolveram sair da casca. Para isso temos que apanhar pelo menos 20 pílulas azuis, pelo que então se abre o portal de saída para o nível seguinte, ao mesmo tempo evitando-se tocar ou ser tocado por tudo o resto, incluindo o raio e o tornado.

Sendo programado em Basic, obviamente que é lento, parecendo alguns dos type-ins que surgiam nas revistas nos primeiros tempos do Spectrum. Mas isso pouco importa, o jogo é divertido, está bem apresentado e é um primeiro trabalho muito meritório de Thomas Ferreira. Pode ser descarregado aqui, na página da Spectrum Computing, guia de referência de tudo o que tenha a ver com o Spectrum. Por outro lado, quem desejar também a versão .sna, mais rápida que a versão .tap, pode fazê-lo aqui na própria página do autor.

Seres Vivos (MIA)


Seres Vivos foi mais um dos programas educativos da Astor Software a entrar na competição do MicroSe7e. E agora, graças ao Afonso Gageiro, um dos maiores coleccionadores de software nacional para o Spectrum, conseguimos ter acesso a esta relíquia.

O programa é constituído por quatro partes. A primeira é meramente informativa e dá-nos a componente teórica que vai permitir depois completar com êxito os testes apresentados na segunda e terceira parte. A última parte refere apenas a bibliografia consultada. Embora seja um programa relativamente pequeno (comparativamente com outros da Astor), deverá ter sido bastante útil para os estudantes de biologia do secundário.

Seres Vivos é agora aqui disponibilizado para a comunidade.

sexta-feira, 19 de julho de 2019

Escape to Murky Woods também foi convertido


Afinal John Wilson, e ao contrário daquilo que tinha dito nos últimos dias, ainda teve disponibilidade para fazer uma última conversão para Spectrum de uma aventura criada para o formato Adventuron: Escape to Murky Woods.

Entretanto já tivemos oportunidade de terminar The Hut (review completa a aparecer no início da próxima semana) e ficarmos encalhados em Bulbo and the Blue Dragon (aparentemente algo está a falhar na versão para o Spectrum), cuja review sairá amanhã.

Poderão aqui descarregar Escape to Murky Woods.

A Capital: POKES & DICAS - 17 e 24 Julho de 1987


Hoje entramos num ciclo em que os jogos em destaque não são os mais emblemáticos ou conhecidos, salvo raras exceções. Mas a nível de dicas, e para quem gosta de aventuras de texto, poderá deliciar-se com informações muito valiosas.

Os fãs de simuladores poderão contar com a crítica, bem como uma explicação detalhada de como jogar ao F-15 Strike Eagle. Este jogo contou com a participação do famoso Sid Meier.   


Destacamos ainda os seguintes jogos sujeitos à critica do Daniel Lima.


Para quem quiser saber utilizar o Omnicopy 2 poderá saber nesta semana como fazê-lo.


Suplementos disponíveis na nossa Dropbox.

The Randomator


Má sorte a nossa, que fomos raptados pelo nosso arqui-inimigo, The Randomator. Este encerrou-nos no seu covil. Na realidade são cerca de uma dúzia, cada qual correspondendo a um nível do jogo, e todos devidamente guardados pelos lacaios de Randomator. Alguns são relativamente fáceis de se atingir a porta de saída, mas outros são diabólicos. Cada um deles requer uma táctica e abordagem diferente, mas comum a todos é que para se abrir a porta de saída, teremos que em primeiro lugar apanhar a chave do portal de saída. Essa não é facilmente identificável, pois em cada cenário existem outros objectos, que se por um lado aumentam o nosso pecúlio em termos de pontuação, por outro obriga-nos a arriscar a ser apanhados por um dos guardas inimigos. Apenas a experiência nos vai dizer qual a melhor forma de chegar à saída.

The Randomator é mais um típico jogo de plataformas criado com recurso ao Arcade Game Designer. A novidade é que o seu autor (ou autores), são alunos de uma escola primária, a Bearsden Primary School, têm 10/11 anos, e fazem melhor que muitos adultos. Por isso mesmo venham aqui descarregar mais este jogo, e, se possível, deixem mensagens de apoios à garotada, pois bem o merecem.

quinta-feira, 18 de julho de 2019

Saiu b1n4ry! para a competição BASIC 2020


A competição  BASIC 2020, ainda recentemente anunciada por nós, já trouxe o primeiro dos jogos a concurso: b1n4ry!

O jogo foi criado pelo conhecido programador Azimov (4z1m0v), e embora se pareça com Pac-Man, é muito mais do que isso, é um verdadeiro quebra-cabeças, no qual temos que movimentar dois personagens em simultâneo, numa luta contra o tempo, nosso principal inimigo.

Iremos testar com maior profundidade nos próximos dias, mas até lá poderão aqui descarregar o jogo.

Dicas para Academy


Com sabem, temos vindo religiosamente a disponibilizar à Sexta-feira os suplementos d'A Capital. E por vezes inclui trabalhos dos leitores da altura que são autênticas obras de arte. É o caso das dicas enviadas por um leitor de apenas 12 anos (em 1987), Luis Monteiro, que juntou-lhe ainda um bonito desenho e que aparece nas últimas revistas que colocámos na dropbox.

Actualmente é muito raro trabalhos destes aparecerem. Aparecem mapas, sim, mas elaborados com recurso aos screenshots dos jogos. Sem dúvida que são úteis, mas não se comparam aqueles que apareciam nas revistas da altura, feitos "manualmente". Quem sabe não exista ainda por ai leitores talentosos e com tempo para dedicar a fazer mais peças destas?

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Mais um update do Spectrum Next



Henrique Olifiers fez há minutos uma curta actualização do Spectrum Next. E desta vez temos boas noticias...

Assim, o teclado já foi testado e aparentemente passou todos os testes, tendo sido enviado para produção, que deverá começar na próxima semana. O novo teclado, com os ajustes explicados na actualização anterior, provou ser 100% preciso, fechando-se finalmente com sucesso este longo capítulo.

Nas próximas semanas serão disponibilizadas algumas fotos do teclado e da produção das 3.000 unidades sendo embaladas para a viagem final...

Presidente (MIA)


Presidente era um jogo há muito solicitado pelos nossos leitores e dispensa apresentações, pois não é mais que a tradução para a nossa língua de Dictator, clássico de 1983 da DK'Tronics (também já encontrámos uma versão traduzida para "brasileiro"). E o mais curioso é a quem coube a responsabilidade da tradução: a Astor Software.

Provavelmente encontrava-se numa das compilações de quatro jogos da Astor tão em voga em meados dos anos 80. Estava agora numa cassete com vários jogos pertencente ao Vasco Gonçalves, sendo assim disponibilizada pela comunidade, podendo aqui ser obtida.

Magbot (MIA)


Magbot é a versão traduzida para a nossa língua de Maggot, um clone de Centipede lançado em 1983 pela revista Your Computer com type-in. Não fez história, no entanto chamou suficientemente a atenção para aparecer no nosso mercado da altura. Estava numa das cassetes que o Vasco Gonçalves nos emprestou e pode aqui ser descarregado.

terça-feira, 16 de julho de 2019

Glazx


Nome: Glazx
Editora: NA
Autor: EugenyN
Ano de lançamento: 2019
Género: Shoot'em'up
Teclas: Não redefiníveis
Joystick: Kempston, Sinclair
Memória: 48 / 128 K
Número de jogadores: 2

Glazx foi criado em 1992, no entanto apenas em 2019 teve honras de lançamento com toda a pompa e circunstância por parte de Eugeny Novikov. E ainda bem que o jogo não se manteve no limbo, pois tem uma característica muito interessante: é multiplayer. Quer isso dizer que permite dois jogadores em simultâneo. Aliás, é condição fundamental, pois não existe o modo de 1 jogador, o que é pena.

Estamos assim perante um jogo que coloca dois jogadores em confronto num cenário pré-definido. Existem 12 mapas à escolha, mais 4 mapas secretos, sendo este um dos seus trunfos, pois permite adicionar variedade a um jogo que poderia à partida tornar-se monótono. Assim, um jogador controla o glaz verde (ser semelhante a um olho) e outro o azul, ambos estão munidos de uma arma de raios, e terão que atingir o outro. Os elementos do cenário servem de barreira, conferindo também um elemento de estratégia ao jogo. Vence o glaz que conseguir eliminar todos os glazes adversários num tempo limite.


Periodicamente vão surgindo alguns bónus no cenário, desde vidas (glazes) extra, munições (atenção ao modo de jogo "one shot" que permite apenas um tiro antes de se recarregar a pistola de raios), tempo extra e mísseis especiais, impossíveis de serem evitados pelo adversário. Há também que ter em atenção que sempre que um jogador atinge o outro, esse fica incapacitado durante algum tempo, e portanto sujeito a ser massacrado com mais alguns raios.

Existem ainda três modos de disparo, o normal (pressionando na tecla de disparo, o raio segue sempre na direcção para a qual estamos virados), o de raio curvo (carregando no disparo e em qualquer direcção, excepto frente, o raio pode ser virado), e o raio rápido (carregando no disparo e para a frente, alguns raios podem atravessar a parede, tendo uma probabilidade de acerto de 50%).

O jogo é então uma espécie do "gato e do rato", sendo fundamental reflexos rápidos, e já agora mão certeira. Uma evolução de um estilo que começou com o mítico High Noon, título que ainda hoje faz as delícias de todos, como tivemos oportunidade de constatar na exposição Load"" em Cantanhede.


O cuidado que o programador revela com este lançamento é também visível na quantidade enorme de opções. Assim, 4 modos de jogo diferentes, 16 mapas à escolha, vários tipos de bónus a aparecerem nos cenários, e até a possibilidade de se escolher diferentes efeitos sonoros, contribuem para aumentar a atractividade de Glazx.

No entanto há um grande "senão", e que até é incompreensível dado o elevado número de opções do jogo: não existe a redefinição de teclas, e as pré-definidas tornam Glazx muito pouco funcional. É uma pena que o programador não tenha previsto esta opção, baixando drasticamente a jogabilidade e a consequente pontuação de um jogo que tinha tudo para ser uma referência do género.

De qualquer forma, quem se conseguir adaptar às teclas pré-definidas, e se tiver um companheiro de jogo, pode estar seguro que terá aqui divertimento e emoção para muitas horas. Para isso basta aqui vir descarregar o jogo.

37. Atic Atac

G0blinish lança Ambush


Dmitry Krapivin (aka G0blinish) andava muito calmo ultimamente, pelo menos que tivéssemos conhecimento. Deve ter sido o campeão de 2018, com mais de uma dúzia de pequenos jogos lançados, alguns dos quais interessantes, e um em particular, Quest, que está na nossa lista de pendentes para explorar mais aprofundadamente.

Entretanto resolveu lançar um shoot'em'up muito simples, apenas para demonstrar algumas capacidades do Spectrum. O resultado pode aqui ser visto. A preto e branco e sem som, mas com uma fluidez engraçada, digno de um ZX81...

segunda-feira, 15 de julho de 2019

The Last Human


Imaginem que somos o último humano, pois a Terra foi tomada de assalto pelos robôs. Este é um cenário já por várias vezes explorados em livros e filmes sci-fi e foi agora transposto para o Spectrum. E quem é o culpado ou culpados? Os alunos do Bearsden Primary School, claro. Graças a eles temos que ultrapassar cerca de uma dúzia de ecrãs, recheados de inimigos, obstáculos e até blocos escondidos. Isto de ser a última pessoa na terra tem muito que se diga e quase que desejávamos que tremenda sorte calhasse a outro...

The Last Human é então mais um típico jogo de plataformas criado com recurso ao Arcade Game Designer, bem difícil por sinal, e que nos vai fazer suar às estopinhas para chegar ao fim. Cenários imaginativos e um sprite castiço representando a nossa personagem (ou será meia personagem?), convidam a tentar ultrapassar todos os desafios, mesmo quando estes parecem ser impossíveis de se transpor, como por exemplo quando damos de caras com uma parede, aparentemente sem portas ou qualquer tipo de abertura.

Atrevam-se assim a fazer ver aos robôs que estes, apesar de serem em grande número, não são mais espertos que os humanos. Afinal de conta foram criados por nós...

Poderão vir aqui descarregar mais este jogo.

Top jogos mais vendidos Julho 1984

E Julho de 1984 é o mês em que Jet Set Willy chega ao topo dos mais vendidos, destronando Atic Atac, que praticamente desaparece do top, sendo o único título da Ultimate a constar aí. Fighter Pilot e Chequered Flag, dois simuladores, completam o pódio.

Uma curiosidade é Cricket Captain, jogo praticamente desconhecido, estar na lista. Mas os britânicos sempre gostaram desse desporto.

Realce ainda para a entrada da Mastertronic na tabela, e logo com dois jogos.

domingo, 14 de julho de 2019

F'n Balls


Nome: F'n Balls
Editora: NA
Autor: Andrew Dansby
Ano de lançamento: 2019
Género: Acção
Teclas: Redefiníveis
Joystick: Kempston, Sinclair
Memória: 48 K
Número de jogadores: 1

F'n Balls, a nova brincadeira de Andrew Dansby, responsável pelo muito aclamado Xelda 1: Quest for the Golden Apple, surgiu em primeiro lugar para promover FASE, um motor que permite a criação de sprites. Mas também como uma demonstração de alguns conceitos de Inteligência Artificial, assim como uma pequena montra de sprites criados com o referido motor. Não esperem, portanto, um jogo com a profundidade e dimensão de Xelda, muito pelo contrário, são apenas pouco mais de uma dúzia de ecrãs até se completar o jogo e voltar ao início. Feita esta primeira consideração, avancemos então com a história, mesmo não sendo o mais relevante em F'n Balls.

Assumimos então a pele de Bob, the Ball, personagem com uma forma esférica que não quer ser incomodado. No entanto nem sempre aquilo que desejamos acontece, e pelos vistos toda a gente quer importunar o infeliz do Bob. Este, ao longo de cada um dos diferentes níveis, tem que apanhar a chave que permite destrancar a porta que dá acesso ao nível seguinte. No entanto, são muitos os inimigos que vagueiam livremente pelo cenário e que são irremediavelmente atraídos por Bob. Pior, cada nível tem um gerador que vai replicando os inimigos, assim de cada vez que eliminamos um, logo outro aparece no seu lugar. 


A tarefa é dificultada porque não é fácil controlar Bob. Tendo uma forma esferóide, desliza livremente, levando algum tempo até se conseguir travá-lo. É necessário alguma persistência até nos habituarmos a este efeito de inércia e conseguirmos controlar a esfera de forma eficaz. Acresce existirem inúmeros obstáculos pelo meio (os blocos coloridos), que podem actuar como uma simples parede, ou podem ter um efeito indesejado no nosso personagem. Experimentem a ir contra os blocos assinalados com a letra "B" e verão aquilo que dizemos. 

Mas pior, alguns blocos são mesmo mortais, e tal como os inimigos, são fatais ao mínimo toque. Felizmente que também são fatais para os nossos inimigos, e com um pouco de habilidade, e sabendo que esses nos perseguem muitas vezes pelo caminho mais curto, poderemos conseguir fazer com que toquem nos blocos mortais. Existem ainda uns tele-transportadores que, na maioria das vezes (mas nem sempre), nos enviam para um ponto mais favorável do cenário. São para ser usados sem cerimónias, pois por vezes é a única forma de conseguirmos chegar à porta de saída incólumes. 


Mas por vezes nem com todos os malabarismos possíveis conseguimos evitar os inimigos, e é nessa altura que entra em acção a nossa seis tiros. Estamos munidos de uma arma que dispara uma bala de cada vez. Só após esta atingir um inimigo (preferencialmente) ou um outro obstáculo, é que pode voltar a ser disparada, pelo que convém ser usada de forma cuidadosa e apenas quando estritamente necessário, de contrário Bob pode ser apanhado de calças na mão.

F'n Balls não é um "F'n" jogo, tal como o foi Xelda. Não engraçámos particularmente com a forma de movimentar Blob (mas também nunca gostámos das dezenas de jogos que apareceram nos anos 80 em que tínhamos que controlar objectos de forma esférica). Sendo apenas uma brincadeira para demonstrar as possibilidades de FASE, é perfeitamente aceitável, mas não se espere muito mais que isso. Para se encontrar a sequela de Xelda teremos que esperar um pouco mais...

sábado, 13 de julho de 2019

Bulbo and the Blue Dragon lançado no Spectrum


John Wilson vai ter umas (merecidas) féria prolongadas, e provavelmente Bulbo and the Blue Dragon foi o último título que converteu para o Spectrum. Uma pena, dizemos nós, pois apesar de apenas muito tarde termos descoberto este personagem, é com uma certa pena que vamos deixar de ter as suas aventuras.

Como sempre acontece com neste género muito específico de jogos, é necessário algum tempo para que possam ser devidamente explorados, mesmo que sejam mini-aventuras, como parece ser aqui o caso (mais uma baseada na temática dos "escpae rooms"). Por isso contem apenas com a review completa daqui a uns tempos, fica prometido que assim que tivermos algum tempo livre, lhe iremos pegar.

Entretanto, para quem gosta do género, poderá vir aqui descarregar Bulbo and the Blue Dragon.

Generació Digital ao vivo


A Matranet, juntamente com o programa de rádio catalão Generació Digital, juntaram-se hoje para lançar um novo jogo para o Spectrum, baseado precisamente nessa rádio.

O jogo Generació Digital, um clone de Pac-Man, irá ter lançamento físico em breve, mas é já possível de ser jogado online, bastando vir aqui.

Astronauta (MIA)


Deixámos propositadamente para o fim o melhor de Eurico da Fonseca. Ainda temos bastantes MIA's encontrados nas suas cassetes, mas dizem respeito a programas da Astor e da Timex, e que de modo cadenciado iremos disponibilizando. Mas de todos os programas criados por este cientista, este será certamente o mais apetecível.

Astronauta é, tal como o nome indica, um programa educacional orientado para as questões astronómicas (não confundir com astrológicas, tema que abominamos). Assim, depois de ouvirmos as cinco notas que foram celebrizadas em Encontros Imediatos do Terceiro Grau (Steven Spielberg, 1977), temos possibilidade de obter informação sobre alguns temas, conforme o ecrã abaixo.


Para isso basta carregar na tecla correspondente, abrindo-se depois uma série de outras opções. Toda a informação é da responsabilidade do próprio Eurico da Fonseca, e o programa terá sido inteiramente criado por ele. Aliás, é curioso que encontrámos em diversas cassetes várias rotinas que depois deram origem ao programa final, mas que mostram claramente que Astronauta foi sendo construído temática a temática. Tendo sido programado em Basic, o autor juntou depois todos os programas num só. E o resultado final é espantoso, não ficando atrás de programas como Astronomer, lançado em 1984 pela CP Software (ou a sua sequela, lançado em 1985).

Foi portanto um golpe de sorte imenso termos dado com estas cassetes, permitindo-nos partilhar com a comunidade um tesouro muito bem guardado.


Partilhamos ainda uma confidência: assegurámos este espólio numa conhecida página de vendas portuguesa. E o vendedor disse-nos mesmo que tinha uma oferta superior à nossa, mas que optou por nos vender, dado que iríamos preservar e disponibilizar os programas pela comunidade, o que não aconteceria com a pessoa que fez a oferta maior. É este tipo de atitudes que nos motiva a continuar este trabalho...

Astronauta encontra-se aqui preservado. O programa principal é Astronauta, os restantes são os mini-programas encontrados em diversos estágios...

sexta-feira, 12 de julho de 2019

Concurso BASIC 2020


Depois da competição Yandex, anunciada há uns dias e não qual faremos parte como jurados, abriu novo concurso, algo que vinha a ser falado desde um dos últimos programas do Arnau Jess. AsteroideZX incentivou também a ideia e agora Radastan, autor de Magician, lançou a competição, que tal como o nome indica, destina-se a programas exclusivamente criados em Basic. Nesta página encontram-se todas as informações, e o melhor é que podem participar programadores de todo o mundo. Vamos lá ver do que são capazes os portugueses...

Por falar em Arnau, hoje é dia de directo com um tema bastante interessante: os jogos preferidos do Spectrum na óptica de alguns dos seus seguidores. Mantenham-se atentos, já falta pouco tempo para começar...

A Capital: POKES & DICAS - 03 e 10 Julho de 1987


Entramos no mês de Julho de 1987, 32 anos atrás, com fantásticos clássicos para desfrutarmos nas nossas férias de verão.

Temos jogos para todos os gostos e para os mais variados jogadores, como são os casos de:



Salientamos mais dois jogos, menos bem cotados a nível de crítica por parte do Daniel Lima, mas que são bastantes aprazíveis de se jogar e que nos fizeram perder algumas horas.


Contem ainda com algumas criticas para jogos do Atari 800XL, boas dicas e mapas, bem como uns curtos, mas interessantes programas no Linha a linha... 

Suplementos disponíveis na nossa Dropbox.