quinta-feira, 24 de junho de 2021

Saiu Travel Through Time Vol.1: Northern Lights

 

E um dos lançamentos mais aguardados do ano finalmente saiu: Travel Through Time Vol.1: Northern Lights. 

A ZOSYA Entertainment, que conta com uma equipa de luxo encabeçada por Oleg Origin, dispensa qualquer tipo de apresentações. Já faltam palavras para classificar obras-primas como Valley of RainsBonnie and Clyde ou The Dark: Lost Pages, apenas para mencionar os últimos trabalhos. E agora, pelos vistos, estamos perante mais uma, a avaliar pelo trailer e imagens que fomos vendo, além de uma pequena demo que tivemos oportunidade de experimentar. Custa a crer como conseguiram colocar isso tudo em apenas 128K.

O jogo retrata então uma competição de vários carros ao longo dos tempos, apresentando um simulador mais tradicional, ao contrário daquilo que haviam feito com Drift!. Tem ainda várias sequências animadas de rara beleza e pormenores deliciosos, como a sombra quando o carro passa por certos obstáculos. E isso sem descurar a velocidade, fazendo Out Run parecer uma tartaruga.

Este é assim mais um jogo para exploramos nos próximos tempos e fazermos uma análise mais detalhada. Até lá, e enquanto não está disponível a versão física para venda (24 de Julho), poderão aqui vir descarregar Travel Through Time Vol.1: Northern Lights, o primeiro de uma série de episódios dedicados ao tema.

Ninja Carnage


Nome: Ninja Carnage
Editora: Cronosoft
Autor: Clive Townsend, Christophe Kohler
Ano de lançamento: 2021
Género: Aventura Gráfica
Teclas: Não redefiníveis
Joystick: Não
Memória: 128 K
Número de jogadores: 1

Não é todos os dias que temos um lançamento do mítico Clive Townsend, o famoso autor da saga Saboteur (entre outros jogos), confesso apaixonado pela figura dos ninjas. Nem que fosse apenas por isso, este lançamento já mereceria amplo destaque em Planeta Sinclair. No entanto, o jogo, que para já apenas se encontra em formato físico via Cronosoft, está gravado nos dois lados de uma cassete, ocupando cada uma das partes a quase totalidade dos 128 K de memória do computador. Muito por força das muitas imagens incluídas nesta aventura gráfica do género "point & click". Ainda em tempos não muito distantes tinha sido desenvolvida uma, ZX Larry, não inteiramente bem-sucedida, muito por força de um controlo ineficaz, coisa que não acontece com Ninja Carnage, que aprimorou este sistema, funcionando agora quase na perfeição.

Deixamos também um aviso: o jogo é destinado apenas aos maiores de 18, como aliás vem explícito na capa. Utiliza linguagem que pode ser considerada como ofensiva por muitos. Assim, puritanos metam-se ao largo, este jogo não é para vocês...

Mas comecemos por falar nos antecedentes. Na realidade, Clive Townsend "apenas" tratou da conversão para o ZX Spectrum, pois o jogo foi originalmente lançado para o Amstrad CPC, sendo baseado numa história imaginada por Christophe Kohler. E é incrível como Clive conseguiu fazer um trabalho a roçar a perfeição, conseguindo introduzir na parca memória do Spectrum, dois belíssimos ecrãs de carregamento (um para cada parte), efeitos FX e voz sintetizada, a música de Tom & Jerry, 29 missões com mais de 10.000 palavras e, nada menos, nada mais, que 128 mortes trágicas para o ninja.


O objectivo do ninja é matar o chefe Yakuza, e para isso temos que o ajudar a cumprir com a missão. No entanto, o ninja é muito "bad ass" (palavras do autor da história) e tem um sentido de humor cáustico e corrosivo, além de achar que não merecemos o ar que respiramos. Ou seja, deposita muito pouca fé nas nossas capacidades e não tem qualquer pejo em o dizer. Constantemente, diga-se, fazendo-nos baixar a moral continuamente. Por outro lado, o chefe Yazuka está bem escondido nas profundezas de um templo, e para o alcançarmos teremos que resolver inúmeras situações sobrenaturais, daquelas capazes de provocar um arrepio na espinha.

Mau grado o sentido de humor do ninja, ele até começa por nos dar umas dicas. Assim, o primeiro nível serve para nos ambientarmos ao sistema de controlo, bem como a alguns dos desafios que vamos encontrar a toda a hora durante o jogo. No fundo é apenas um pequeno aquecimento, mas temos logo uma demonstração daquilo que vamos encontrar, incluindo os abusos verbais e bullying que vamos sofrer ao longo da missão. Se não conseguirmos passar esta primeira parte, nem vale a pena continuar.


Depois de nos adaptarmos a este sistema, iniciamos então a aventura, propriamente dita. Cada nível é composto por três missões, as quais acedemos depois de completada a anterior. Uma coisa boa é que podemos tentar as vezes que quisermos, se por acaso perdermos, recomeçamos no nível em que estamos, sem necessidade de voltar ao início. Por outro lado, é possível começar a jogar logo a parte dois da cassete, embora se percam as estatísticas. No entanto, a segunda parte reserva desafios mais complexos, pelo que aconselhamos a começar-se do início.

Os desafios que são apresentados em cada missão vão variando (embora não muito). Em todos temos que executar determinadas tarefas numa certa ordem, carregando com o cursor no local que achamos ser o mais indicado (algumas a fazerem lembrar Enigmatik). Pelo meio, em alguns dos níveis, teremos que mostrar que temos reflexos rápidos, para isso carregando rapidamente na tecla de direcção que é indicada no ecrã. E se no início tudo parece muito fácil, pois basta alguma capacidade de memorização e também de interpretação dos diálogos que vão sendo apresentados, que vão dando as pistas para o cumprimento da missão, em níveis mais avançados a tarefa complica-se, pois introduz factores como o tempo muito limitado para executar as tarefas, imagens que se movem, o cursor também a mover-se (simulando uma situação em que temos a vista turva ou na qual o vento o desloca, etc.). Existe alguma variedade, embora a base seja a mesma em todo o jogo, sendo esta a sua principal lacuna. 


De facto, tecnicamente o jogo é perfeito a todos os níveis. As imagens são de qualidade excepcional, a apresentação, no seu todo, é magnífica, os textos, para quem aceita este tipo de humor, absorventes. Atrevemo-nos a dizer que Clive Townsend conseguiu tirar o melhor do jogo original. Se Ninja Carnage fosse uma demo, teria nota máxima. No entanto, como não o é, apresenta alguma limitações. Em primeiro lugar a tal falta de diversidade, inerente ao próprio conceito do jogo. Clive replicou-o tal e qual como foi desenvolvido originalmente, pelo que pouco conseguiria melhorar. 

Depois, e como consequência do próprio conceito desta aventura, após a terminarmos a primeira vez, passará bastante tempo até se voltar a repetir a experiência, a não ser que queiramos mostrar aos nossos amigos aquilo que se consegue fazer num computador com tão parca memória. Infelizmente a longevidade é um pouco limitada, sendo esta a única razão pela qual não damos o estatuto de Mega Jogo a Ninja Carnage. Quanto a Clive Townsend, mostrou que continua com todas as suas capacidades intactas e esperamos que nos posso agraciar com novo jogo em breve para o Spectrum. Quem sabe, Saboteur 3... 

Androids (ZX81 MIA)

Hoje trazemos um interessante jogo para o ZX81 do qual não encontrámos referência em local algum. Androids remete para os jogos de horror, tipo zombies, e consegue manter o interesse por algum tempo. Pela produção sofisticada, suspeitamos que poderá ter até sido lançado numa das editoras especializadas em software para essa plataforma. Quem tiver mais informação, somos todos ouvidos...

Poderão aqui descarregar Androids.

Bunny vs Fox


Bunny vs Fox foi o jogo mais estranho que encontrámos daqueles desenvolvidos pelos petizes da Bearsden Primary P6A 2021. Ficámos mesmo com a sensação que o jogo não estava terminado, e não foi apenas pelos muitos bugs que fomos encontrando, ou pela muita confusão gráfica, bem visível no ecrã acima. Chegámos a um local que não era possível passar, ou pelo menos assim parecia. Será que foi disponibilizado o ficheiro correcto?

De qualquer forma, é mais um jogo criado pelos alunos da escola primária de Bearsden...

quarta-feira, 23 de junho de 2021

RS232 n.º 6


Uma vez que a RS 232 n.º 5 já foi disponibilizada antes (via João Encarnado), temos hoje o número 6, de Junho de 1988. Vieram todos da colecção particular do António Vila-Chã (a maioria), ou do Vasco Gonçalves.

A revista é excelente com montes de material para o Spectrum e Timex, incluindo pequenas reviews, mapas e type-ins. Imperdível...

Venham aqui buscar o mais recente número da RS232. Se tiverem o 27 ou números acima do 38 (se é que existem), por favor, entrem em contacto connosco.

Multiplica (MIA)

 

E conforme prometido, depois de Divisão Longa, disponibilizamos Multiplica, o segundo programa que vinha no lote emprestado ao Museu LOAD ZX Spectrum, e que foi desenvolvido pela Alfamicro, a responsável habitual dos conteúdos da Timex. Misto de jogo e programa educativo, ensina a criançada (e não só) de forma lúdica. 

Poderão aqui descarregar Multiplica.

Dune II: the Battle for Arrakis (v. 2019) disponível para descarga


Dune II não é novo. O clássico de 1992, que tantas horas nos manteve colado ao PC no início dos anos 90, tinha sido transposto para o Spectrum (TR-DOS) em 1997. Em 2014, a Perestroika (nome muito significativo) fê-lo concorrer à competição Your Game 5. Entretanto, em 2019 foram corrigidos alguns ficheiros, tornando-o 100% jogável (na altura passou-nos ao lado, infelizmente). E agora, graças a Modern ZX-Retro Gaming, descobrimos que foi colocado recentemente disponível para descarga.

O jogo ocupa duas disquetes, pois como se esperaria é enorme. Aliás, basta ver o gameplay no canal referido, para descobrirmos que são necessárias mais de nove horas para se chegar ao fim dos 8 níveis. Se pensarmos que podemos jogar com duas casas, há aqui entretenimento para muito tempo.


Quanto ao jogo, tem versão em russo e inglês, permitindo usar o teclado ou o Kempston Mouse, que será o mais aconselhado.

Depois, é tal e qual como a versão que conhecíamos para MS-DOS. A par de UFO: Enemy Unknown, Age of Empires e Civilization, foi dos jogos que passámos mais tempo, tendo dado origem a inúmeras sequelas (algumas que também experimentámos). Como os russos conseguem fazer esta magia, isso é que não sabemos, mas quem gosta do género, é obrigatório experimentar (se não o fizeram já).

Poderão aqui descarregar a versão corrigida, permitindo jogar todos os níveis com ambas as casas.

Update para Resistance


Em 2019, Andy McDermott lançou uma aventura de texto que nos colocava na pele de uma garota pertencente à Resistência Francesa, em plena II Grande Guerra. Na altura, apesar do tema absorvente, a aventura não nos conseguiu agarrar, fruto de algumas fragilidades (ver review aqui).

Agora, Andy fez alguns melhoramentos e disponibilizou uma segunda versão de Resistance, colmatando algumas das lacunas que tínhamos apontado. Alguns locais irrelevantes para a história saíram, libertando espaço para novas opções. Inclusive, é agora possível deambular mais pela vila, explorando-a, antes de contactar com os restantes personagens da história.

Parece-nos que as alterações são positivas, podendo esta nova versão ser aqui descarregada.

terça-feira, 22 de junho de 2021

Relatório de Testes e Análises para Diabéticos (FDD)


O Ricardo Reis conseguiu recuperar mais um interessante programa da Electronica 45. Relatório de Testes e Análises para Diabéticos deverá ter sido bastante útil para quem sofre de diabetes. Lembramos que na altura a informação não estava tão disponível como agora.

Tenham em atenção que deverão colocar na drive A a disquete com o programa e na drive B a disquete com os dados.

Poderão aqui descarregar o conteúdo das disquetes.

Mahjong Solitaire

 

Nome: Mahjong Solitaire
Editora: NA
Autor: Under4MHZ
Ano de lançamento: 2021
Género: Puzzle
Teclas: Não redefiníveis
Joystick: Não
Memória: 48 / 128 K
Número de jogadores: 1

Aquando da saída deste jogo, tínhamos colocado uma questão: será que iria conseguir destronar Peking como o melhor simulador de Mahjong? A resposta é não, o que não quer dizer que não estejamos aqui perante um jogo bastante agradável e bem concebido. Simplesmente não tem tantas opções quanto o clássico jogo lançado sob o selo da Your Sinclair, sendo que o limite de tempo será aquela que mais falta sentimos. 

Por outro lado, graficamente está também uns furos abaixo, por vezes sendo difícil identificar os pares de peças, pelo que aqueles que já têm Peking, poderão dispensar Mahjong Solitaire. No entanto, todos os outros, e que presumimos que sejam a maioria, até porque o jogo lançado pela Your Sinclair aconteceu já numa fase muito adiantada do período de vida do Spectrum (1991), têm agora a possibilidade de experimentar este popular jogo de tabuleiro.

Mahjong é então um jogo de estratégia composto por 144 peças, de vários naipes, em grupos de quatro peças com o mesmo valor. O objectivo é eliminar do tabuleiro todas as peças, para isso emparelhando-as com as outras peças do mesmo naipe. No entanto, essas estão sobrepostas umas por cima das outras e apenas podem ser seleccionadas quando não estão entaladas por outras peças, horizontal ou verticalmente. Além disso, e dado que existem dois pares de cada naipe, temos que ter muito cuidado para não eliminar prematuramente peças que mais à frente nos venham a fazer falta. Puro jogo de estratégia, como se pode ver, mas também sendo necessária alguma sorte, pois por vezes temos que fazer escolhas às "cegas", dado que parte do tabuleiro se encontra tapado. Se existe jogo que requer intuição da nossa parte, este é o caso mais flagrante.

Este jogo criado por Under4MHZ (incrível a cadência deste programador), na sua simplicidade, é um desafio altamente viciante. Fomos testar, com a ideia de apenas fazer um ou dois jogos, até porque conhecemos muito bem o jogo de tabuleiro, e quando demos por isso já o tínhamos terminado com sucesso meia dúzia de vezes (e outras tantas sem sucesso), e mesmo assim continuávamos com vontade de continuar a jogar. Este é o melhor elogio que podemos dar, sendo assim um jogo aconselhado a todos, mesmo aqueles que não apreciam quebra-cabeças.

segunda-feira, 21 de junho de 2021

The Guild Edition de The Eleventh Hour (MIA)

 

O Luís Rato partilhou connosco a cassete original (e provavelmente primeira edição) de The Eleventh Hour, de Terry Braverman. Embora o jogo já estivesse preservado, faltava a capa. Aliás, na própria página da Spectrum Computing apenas é referida uma versão de 1986 da Venturesoft, pelo que até poderá haver algumas diferenças relativamente a esta.

Poderão aqui descarregar The Eleventh Hour.

Get the Vaccine


Get the Vacinne pega num tema que não podia ser mais actual, muito embora aqui se trate de obter a vacina para a mordidela de um crocodilo venenoso. Curiosamente, trouxe-me à memória outras vacinas, pois o jogo utiliza as teclas "WASD", obrigando-me a jogar com o braço esquerdo, precisamente aquele onde levei a injecção muito recentemente, encontrando-se dorido. Mas enfim, não se pode ter tudo, e acho que no caso presente poderemos perdoar esta infame configuração.

O jogo foi desenvolvido por três petizes, Ethan, Kaiwei e Matthew J., indo buscar inspiração aos jogos criados por outro Matthew, neste caso o Smith (Manic Miner, Jet Set Willy). Tem algumas armadilhas que só com muita tentativa e erro se consegue descobrir a forma de ultrapassar, e até portas de saída escondidas. Além dissom nem todos os espigões matam, se propositadamente, ou não, pouco interessa, pois o resultado final é agradável.

Terminámos assim mais um jogo desenvolvido pelos alunos da Bearsden Primary P6A 2021.

domingo, 20 de junho de 2021

Saiu Akane

Depois da apresentação de Akane no excelente canal de Javi Ortiz (estejam atentos, à noite vai haver directo a celebrar os 5.000 subscritores com direito a prémios), foi lançado o novo jogo de Hicks e que sucede a Ninja Poison. Pelo que vimos, o jogo está bastante equilibrado e promete superar o primeiro episódio da saga. Contamos vê-lo nos próximos dias, entretanto ainda temos mais alguns para analisar, colocando a contabilidade em dia.

Poderão aqui descarregar Akane, é gratuito, mas uma pequena contribuição ao seu autor é muito merecida.

CM: Os Jogos no Computador - 020

Trazemos mais uma digitalização da secção "Os Jogos no Computador" do Correio da Manhã, publicada a 3 de Dezembro de 1989. Como era habitual, Paulo Ferreira analisa um novo jogo sendo "Mr. Heli" o destaque da semana.

A crítica a este jogo foi pouco ou nada abonatória. De facto, "Mr. Heli" não é propriamente brilhante, padecendo de alguns defeitos que na época do seu lançamento já eram injustificados. Não valeria o preço a se pagar pela fita, se bem que quem compra a "cassete de computador" pirata também não deveria ter muitas razões de queixa!

Paulo Ferreira também aproveitou para colocar as cartas dos leitores em dia. Alguns deles pediram à secção que se dedicasse a outros microcomputadores como o C64 ou o Sharp MZ 700. Estes pedidos também foram recorrentes em outras publicações e jornais, mas tendo sido o ZX Spectrum o "rei" por muitos anos, não haveria grande espaço para a concorrência. Por curiosidade temos o regresso do top do CM com o jogo "Red Heat" no topo, e "Indiana Jones" e "Batman" no 2º e 3º lugares.

O resto do espaço está recheado de pokes e dicas, enviadas por leitores e clubes de jovens, como é o caso do "World Soft" com a solução para o jogo "The Train: Escape to Normandy". Já o Luis Teixeira do clube de jovens "Atlantic Software" (já os referimos por diversas vezes) enviou uma mão cheia de "pokes", incluindo um para o "Samantha Fox Strip Poker", certamente cobiçado pelos jovens com as hormonas aos saltos!

Os recados finais desta secção também são muito interessantes. O Paulo apela aos leitores programadores para enviarem os seus jogos para o CM de modo a serem divulgados ao público. Também refere que irá analisar algumas das ferramentas de criação de jogos em futuras edições.

A digitalização cedida pelo Mário Moreira está acessível aqui.

sábado, 19 de junho de 2021

Saiu Father's Day


Quantum Sheep decidiu celebrar o Dia do Pai de forma condigna, tendo criado um mini-jogo, ou melhor, uma espécie de cartões interactivos que abrem diferentes mensagens de homenagem a esse dia. 

Querem descobrir que surpresas o programador, responsável por cerca de meia dúzia de agradáveis jogos no último ano nos reserva? Basta vir aqui descarregar os programas, é gratuito, mas uma pequena contribuição é sempre de bom tom...

Saiu The Doom of the Pond

 

Furillo Productions é uma equipa que saiu da mente de IADVD. Individualmente, ou com a restante equipa (Molomazo), foi responsável por bastantes jogos nos últimos tempos, todos analisados em Planeta Sinclair: Federation Z, Flappy Clive, Moon's Fandom Festival, Moon and the Pirates, Birdy Cantabile, The HoarderRade Blunner, Ep 1: Weon Kolalski's Memories, Rade Blunner, Episode 2: Cannibal Wheh's Little Shop e Enigmatik. O nosso preferido é Federation Z, tanto que até comprámos a edição física. E não foi apenas por ter sido amplamente testado por nós, foi também porque o programador, utilizando uma ferramenta standard (MK1), tenta sempre inovar, o que normalmente consegue.

Entretanto, e conforme tem vindo a anunciar nos últimos tempos, lançou agora o seu novo trabalho, The Doom of the Pond / La Coza de la Poza. Ainda não tivemos oportunidade de o experimentar, mas contamos fazer assim que o tempo nos permita. De qualquer forma, tem uma aspecto brutal. Estamos perante mais uma aventura que vai dar que falar, de certeza.

Entretanto poderão vir aqui descarregar o jogo (versão inglesa, espanhola e uma juke box). É gratuito, mas uma pequena contribuição é muito justa.

Cárie (MIA)


Partilhamos hoje mais um dos lançamentos da Timex. Vinha incluído num dos lotes emprestados ao Museu LOAD ZX Spectrum, contendo muito material inédito desta editora. 

Cárie, é a tradução de Molar Maul, clássico da Imagine de 1983, podendo esta versão ser aqui descarregada. Fica a faltar a capa e as instruções.

sexta-feira, 18 de junho de 2021

A Capital: Pokes & Dicas - 09 de Junho de 1989

Infelizmente entramos na fase em que nos falta cada vez mais os suplementos relativos a várias semanas da secção de Videojogos do jornal A Capital.  Apelamos aos leitores, caso tenham os suplementos que não disponibilizamos, que entrem em contacto connosco.

O jogo em destaque, nesta edição, é o Human Killing machine. Odiado por uns, amado por outros, é daqueles títulos que não gera consenso mesmo sendo indiscutivelmente melhor que o primeiro Street Fighter, no ZX Spectrum.

O Clube Nacional de Aventura volta a dar cartas através do seu mais prolifico contribuidor, o Nuno Miguel Leitão, autor de CNA: 24 Horas e do inacabado João Ratão no Séc. XXI, jogos que esperamos um dia vir a conseguir recuperar. Para além do mapa e dicas apresentadas para Jack the Ripper e D. Quijote de la Mancha, podemos ler algumas curiosidades sobre os seus projetos e um pequeno desabafo sobre o Graphic Adventure Creator. 

Podem descarregar o suplemento no seguinte endereço

Jogos para o Seu Microcomputador #10

 

Através do Museu LOAD ZX Spectrum, tivemos acesso a mais algumas revistas "Jogos para o Seu Microcomputador", que era parte integrante do semanário Expresso. Vamos assim regularmente partilhando, esperando que digitem alguns dos type-ins e nos enviem.

Poderão aqui descarregar o número mais recente (a numeração é pela ordem a que nos foram chegando, já que não sabemos a data real dos mesmos).

quinta-feira, 17 de junho de 2021

Preppo (ZX81 MIA)


Hoje disponibilizamos mais um pequeno jogo educativo para o ZX81. Preppo veio da parte do Museu LOAD ZX Spectrum e ensina-nos a utilizar adequadamente as preposições na língua inglesa. Simples, mas eficaz.

Poderão aqui descarregar o programa.

Defeat the Devil


O segundo jogo vindo da Bearsden Primary P6A 2021 é mais difícil que o primeiro, pois além de algumas armadilhas mais ou menos visíveis, contempla alguns pontos a exigir uma precisão de salto cirúrgica, à boa maneira de Manic Miner, bem como inimigos chatinhos a cortar-nos o caminho. 

O seu autor é Ruairidh Hammersley. A sua idade... Bem, cerca de 10 anos. Quantos de nós conseguiríamos, com a idade actual, fazer algo assim tão bom, quanto mais com 10 anos?

Tal como todos os outros jogos criados pelos alunos da escola primária de Bearsden, fazemos questão de o levar até ao fim. Os seus autores, todos de tenra idade, bem como o seu professor, merecem esta dedicação.

quarta-feira, 16 de junho de 2021

RS232 n.º 4


E temos hoje o número 4 da RS232, de Abril de 1988. Vieram todos da colecção particular do António Vila-Chã (a maioria), ou do Vasco Gonçalves.

A revista é excelente com montes de material para o Spectrum e Timex, incluindo pequenas reviews, mapas e type-ins. Imperdível...

Venham aqui buscar o mais recente número da RS232. Se tiverem o 27 ou números acima do 38 (se é que existem), por favor, entrem em contacto connosco.

Divisão Longa (MIA)

Divisão Longa é um programa educativo lançado em data desconhecida pela Alfamicro, responsável pelo desenvolvimento de software para a Timex, e que foi emprestado ao Museu LOAD ZX Spectrum, que por sua vez nos emprestou a cassete. É um lançamento importante, pois a Alfamicro também tinha programas comercializados sob marca própria, normalmente recorrendo a estudantes universitários para a programação.

Poderão aqui descarregar Divisão Longa, um jogo educativo bastante interessante. Para a semana disponibilizamos a segunda parte.

Saiu Mahjong Solitaire


Under4MHZ continua a fazer-nos chegar, com uma cadência impressionante, pequenos jogos, mas bastante interessantes e divertidos. O mais recente é Mahjong Solitaire, simulando o popular jogo de tabuleiro. Será que vai conseguir destronar Peking, o célebre jogo de Dave Sanders desenvolvido exclusivamente para a Your Sinclair, como o melhor do género? Veremos nos próximos dias...

Poderão aqui descarregar a versão 48K e aqui a versão 128K, com música.

terça-feira, 15 de junho de 2021

Losall, Monitor e Emulador CP/M para FDD

 

Mais uma disquete recuperada pelo Ricardo Reis contendo conteúdo muito interessante. Através do menu inicial, consegue-se aceder a vários programas. Se monitor e o Emulador CP/M já antes tinham sido preservados, temos agora Losall, um copiador muito útil para quem utiliza o FDD com regularidade.

Poderão aqui descarregar o conteúdo da disquete.