domingo, 8 de março de 2020

Springbot: Mars Attack!


Nome: Springbot: Mars Attack!
Editora: NA
Autores: Andy Farrel
Género: Plataformas
Ano de lançamento: 2020
Teclas: Redefiníveis
Joystick: Kempston
Memória: 48 K
Número de jogadores: 1

Embora Andy Farrel já tenha criado jogos para outros sistemas, Springbot é a sua primeira incursão no Spectrum. E para estreia, o mínimo que se pode dizer é que é brilhante, fazendo-nos lembrar Foggy's Quest (atenção que já não deve demorar muito para sair a sequela), ou até Starquake. E com fontes de inspiração como estes dois, só podia sair coisa jeitosa, como de facto aconteceu...

Tal como o nome indica, spring (mola) + bot (robô), assumimos a pele, ou o metal, se quisermos ser mais correctos, de um ser semelhante a um robô com uma mola na base. Este desliza graciosa e nervosamente pelo corredores de uma base marciana, entretanto ocupada por outros seres alienígenas. A mola permite também saltar os obstáculos e inimigos com que se depara, além de também ter a capacidade de se agarrar, tipo íman, a algumas barras facilmente identificáveis. Aliás, se não dominarmos a técnica de salto, dificilmente avançaremos, como rapidamente iremos perceber num certo ecrã recheado das ditas barras.

O objectivo é recolher as 10 células de combustível que permitem accionar o reactor, causando uma explosão que aniquila todos os alienígenas, tendo então o nosso robô precisamente 99 segundos para encontrar a nave que o leva para fora da base. Pelo meio pode ainda apanhar 30 objectos semelhantes a um diamante, que concedem pontos de bónus. Além disso, alguns pontos da base encontram-se bloqueados, e apenas apanhando os cartões de acesso, se consegue entrar em novas áreas. Esses têm três cores, azul, amarelo e encarnado, e permitem abrir as portas com as cores respectivas.


Andu Farrel referiu que esta seria ainda uma versão de teste, solicitando à comunidade que o experimentasse, não só para encontrar eventuais bugs, mas também para afinar o nível de dificuldade. Quanto ao primeiro, apenas encontrámos um: nos elevadores, mais precisamente na parte de fora destes, por vezes o robô não cai (ou sobe), parecendo que algures pelo meio existe um bloco escondido (vimos outros pontos em que isso acontecia). Se é uma limitação do motor com que foi criado, o AGD X, ou algum bug, o facto é que é apenas um mero pormenor e em nada estraga o prazer de jogar Springbot.

Quanto ao segundo, o nível de dificuldade é o mais ajustado, nem demasiado fácil, nem tão difícil, que não se consiga  com as 3 vidas iniciais dar conta do recado. Aliás, o sistema de colisão até é bastante benevolente, e seja propositado, ou não, o facto é que permite-nos ir avançando em alguns pontos mais sensíveis de forma mais ou menos descansada, como aqueles que têm campos de força simultâneos e em que temos que ficar precisamente no meio deles. Doutra forma poder-se-ia tornar um exercício frustrante. Assim, o conselho que damos ao seu programador é que não lhe mexa mais, está perfeito tal como foi concebido.


Graficamente Springbot está também muito bem conseguido. De facto, cenários muito imaginativos e tremendamente coloridos (a fazer lembrar Foggy's Quest, mais uma vez), e ao qual não faltam os elevadores à la Starquake, apenas contribuem para tornar o desafio mais aliciante. E se lacunas há a apontar, estas são muito poucas, embora uma nos parecesse que fazia sentido ser colmatada, quem sabe numa futura versão 128K. É que num jogo deste calibre, uma melodia catita faria maravilhas, e quem sabe levasse Springbot a Mega Jogo, mesmo. Dúvidas não temos que o próximo trabalho de Andy irá obter o almejado galardão.

Por outro lado, e já que se poderia pensar numa versão 128K com melodia AY, poder-se-ia aumentar a área da base. Mais umas salas iriam contribuir para aumentar a longevidade deste jogo. Se tem memória para isso, já é outra história, pois o próprio motor que o criou rouba alguma, e pelo que nos parece o seu autor dever ter ficado muito perto do limite dos 48K.

Em suma, Springbot é um excelente desafio, muito divertido, e sendo a estreia de Andy nestas lides, não temos qualquer receio em dizer que o futuro lhe assiste, quem sabe atingindo no curto prazo a bitola de Andy Johns ou John Blyte, apenas para referir os mais mediáticos. Não acreditam? Descarreguem o jogo e vejam por vós, podendo o mesmo ser obtido na página do seu autor (aqui), que embora ainda esteja em construção, já dá um ar da sua graça.

Sem comentários:

Publicar um comentário