sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Inspector Inch (MIA)


E aqui está mais uma pérola desencantada por Steven Brown: Inspector Inch. A comunidade desconhecia que este jogo, criado por Jeffrey Fuge em 1989, tinha sido desenvolvido com o motor 3D Game Maker (na Spectrum Computing estava assinalado como sendo um jogo de acção). A realidade é que é uma aventura isométrica desenvolvida com o 3D Game Maker, e podemos assim adicionar à lista mais um jogo à extensa lista de jogos criados com essa ferramenta.

Os cenários são labirínticos, como convém a este tipo de jogos, mas apostamos que Pavero, num abrir e fechar de olhos, vais mapeá-lo por inteiro.

Poderão vir aqui descarregar Inspector Inch.

Cosmic Invaders (MIA)

Estamos longe de descobrir quantas versões de Space Invaders foram criadas. No entanto, a que Steven Brown partilhou connosco, era bem conhecida, embora permanecesse como MIA.

Assim, graças ao ilustre coleccionador, tivemos agora acesso a mais um clone do mítico shoot'em'up. Claro que há versões melhores, mas também já vimos bem pior...

Poderão aqui descarregar Cosmic Invaders.

Assembler (MIA)


Dos lançamentos conhecidos da Pi Software, existia um que ainda não estava preservado. Mas não há nada que não se encontre no baú de raridades de Steven Brown (a não ser, talvez,  Mr Gulp, Megatron e Moon Defenders da Wizard Software - se algum leitor os tiver, por favor, faça-nos chegar uma cópia).

Assembler, tal como o nome indica, é um assemblador, e foi desenvolvido por Paul Marshall em 1982, podendo aqui ser descarregado, juntamente com as instruções.

The Raven (alternative version) (MIA)


Ora agora temos um jogo de detectives. E é de um detective que necessitamos. Quem sabe um de renome, como o venerável Gareth Pitchford, e este aceite verificar esta versão, diferente da que se conhece e está preservada nas páginas da Spectrum Computing, e possa indicar as diferenças. Uma coisa é certa, este ficheiro tem uns tantos K's a mais...

Poderão aqui descarregar esta versão alternativa de The Raven, cortesia do aniversariante Steven Brown.

Cuddles (release 2 e release 3)

Entramos agora no campo das aventuras de texto, e vamos ter várias ao longo dos próximos dias. A que agora deixamos, embora já estivesse preservada nas páginas da Spectrum Computing, ainda não tinha estas versões (release 2 e release 3) devidamente preservadas. Provavelmente terá corrigido alguns bugs ou erros da primeira versão. Não sabemos, mas temos a certeza que Gareth Pitchford irá investigar e terá respostas para nos dar.

São mais duas raridades que se encontram no baú de preciosidades de Steven Brown, que partilha agora com a comunidade, podendo ambas as versões serem aqui descarregadas. Inclui o lado B com o catálogo até à data da prestigiada 8th Day Software.

Phasor (MIA)


De Robert J. Yorke conhece-se dois jogos, ambos referenciados na Spectrum Computing: Realm of the Undead, de 1984, e Phasorchase, de 1983. E temos agora, ao que tudo indica, o antecessor deste último.

Phasor é um shoot'em'up para o ZX Spectrum 16K, aparentemente desenvolvido entre 1982 e 1983. Aliás, Phasorchase aproveitou mesmo o ecrã de carregamento do seu antecessor, no entanto, a perspectiva mudou. Assim, este jogo agora recuperado utiliza a perspectiva vertical, tão em voga nos primeiros tempos do ZX Spectrum, e apesar de ser para a versão 16K, constitui um desafio interessante (e difícil).

Estava no baú do aniversariante Steven Brown e pode aqui ser descarregado.

Battle of the Planets (National Competition version) (MIA)


Pois é, vamos hoje começar com nova maratona de MIAs e que se vai prolongar durante todo o fim-de-semana. Alguns deles são bastante apetecíveis, como é o caso desta edição especial de um jogo bastante conhecido, Battle of the Planets, lançado em 1986 pela prestigiada Mikro-Gen.

A cassete encontra-se na posse de Steven Brown, que ainda por cima celebra hoje o seu aniversário (toca a deixar mensagens de parabéns a Steven, não só pelo seu aniversário, mas também por tudo aquilo que tem partilhado com a comunidade, servindo Planeta Sinclair como canal de distribuição).

Quanto a esta competição ("National Competition"), desconhecemos o modo como decorreu. Como a cassete tem inscrito "tape 1", parece dar a entender que existem mais. Algum dos nossos leitores nos poderá elucidar sobre a competição, ou, quem sabe, poderá até ter no seu sótão mais destes lançamentos?

Poderão vir aqui descarregar esta versão especial de Battle of the Planets. O nosso enorme agradecimento a Steven Brown e desejos de um muito feliz aniversário.

Boulder Dash Junior: the Remix Part 2


Depois de Boulder Dash Junior: the Remix Part 1, Luiz Carlos Filho lança a segunda parte deste jogo, construindo mais alguns labirintos com o Boulder Dash Construction Kit. Os dois primeiros, embora tendo algumas armadilhas, são relativamente fáceis de ultrapassar, mas a partir do nível 3, já começa a exigir alguma estratégia. 

Esta segunda parte inclui algumas fases do Boulder Dash Junior 3 e 4 (C64), assim como som na versão 128K. É ideal para as crianças, mas também todos aqueles que gostam de Boulder Dash (e são muitos), tendo aqui novos desafios que os vão manter ocupados durante algumas horas.

O programador está agora a trabalhar num novo jogo, diferente de tudo o que já conhecemos, segundo as suas palavras. Estamos ansioso!

Poderão aqui vir descarregar Boulder Dash Junior: the Remix Part 2.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

Saiu ZXWordle

Adam Ainsworth é figura bem conhecida e querida da comunidade. E agora atreveu-se na programação de um jogo, estando de parabéns, pois o resultado é bastante fluído e motivante.

ZXWordle vai buscar a sua inspiração a Master Mind e é actualmente o jogo da moda. Mas ao invés de tentarmos acertarmos na combinação de números vencedora, são utilizadas palavras. Por um lado, as combinações possíveis são muito maiores, pois utiliza o alfabeto por inteiro. Por outro, como são utilizadas palavras reais, a tarefa fica um pouco mais simplificada.

Assim, quem gosta do género, pode aqui vir descarregá-lo. De certeza que será um bom entretenimento para os momentos de ócio.

Attack of the PETSCII Robots


 Nome: Attack of the PETSCII Robots
Editora: NA
Autor: David Murray
Ano de lançamento: 2021
Género: Estratégia
Teclas: Redefiníveis
Joystick: NA
Memória: 48 K
Número de jogadores: 1

Attack of the PETSCII Robots é o exemplo perfeito de como analisar um jogo apenas superficialmente pode levar ao engano. Tendo saído praticamente no final de 2021, ainda por cima com um custo a dar para o proibitivo, levou a que não fosse incluído numa lista preliminar de candidatos ao GOTY. E pelo que vimos, depois de finalmente arranjarmos tempo para o dissecar devidamente, provavelmente até deveria ter sido contemplado. Agora é tarde, são os ossos do ofício. De qualquer forma, temos aqui oportunidade de nos penitenciarmos, dando-lhe o devido valor...

Não vamos também maçar-vos com a história por detrás de Attack of the PETSCII Robots, até porque está bastante detalhada no extenso manual com 32 páginas que faz parte do pacote com o jogo (acrescentado de mais duas páginas específicas para a versão do ZX Spectrum). Mas podemos adiantar que é uma conversão de um jogo que foi desenvolvido inicialmente para o Commodore PET, como rapidamente se percebe através do ecrã de carregamento, monocromático em tons de verde. E do pacote fazem também parte cinco ficheiros, quatro contendo diversas versões do jogo (diferenciam-se fundamentalmente pelo grafismo), e mais uma demo.


Também já perceberam que tendo o manual 32 páginas, o jogo encerra alguma complexidade. É um facto, e é necessário ler-se o manual, doutra forma não iremos avançar muito, ou pelo menos eficazmente, em Attack of the PETSCII Robots. Mas depois de nos enquadrarmos nos objectivos, assim como no tipo de itens e armamento que podemos utilizar, a coisa começa rapidamente a rolar. Tem assim uma curva de aprendizagem bastante rápida, não sendo fonte de desmotivação para quem inicialmente se assustou com a imensa informação que consta no manual.

Das quatro versões do jogo, optámos pela "Color Bots", pois além de permitir uma melhor visualização dos cenários ("zoomed out"), é aquela que mais se aproxima do grafismo do ZX Spectrum. Basta olhar para o ecrã de cima, com a versão a simular o Commodore PET, e o ecrã de baixo (a de "Color Bots"), que nos traz logo à memória Rebelstar ou Laser Squad. E não é mera coincidência. Se tivéssemos que definir Attack of the PETSCII Robots numa frase, diríamos: Laser Squad, apenas com um membro da equipa e sem turnos.

É isso mesmo, a principal influência é Laser Squad. No enanto, ao invés de fazermos parte de uma ampla equipa que tem que tomar de assalto uma facilidade, assumimos o papel de apenas um soldado, que é colocado no cenário num local muito específico. Além disso, o jogo corre em tempo real, ou seja, não temos que estar preocupados em controlar os pontos de acção que restam. Claro que com isto tudo, quem sofre (ligeiramente) é o elemento estratégico, aproximando-se o desafio mais de um puro jogo de acção. No entanto, a vertente táctica e estratégica continua a estar bastante presente, e se formos tentar conquistar os objectivos apenas pela força bruta, entrando em confronto directo com os inimigos, cedo perecemos.


Existe diverso tipo de armamento espalhado pelos cenários, e cada um tem uma função específica. O manual dá também algumas dicas sobre como e onde deve ser usado cada arma ou cada objecto, e é bom que interiorizemos isso, pois aquilo que é eficaz para um inimigo, poderá não ser para outro. Além de que existem munições limitadas, não sendo conveniente serem desperdiçadas.

Os cenários são também enormes e, o mais espantoso, é que temos dez diferentes cenários (ou missões). Ou seja, são necessárias longas horas até se conseguir terminar todas as missões. O jogo tem um custo de 10 usd, o que perfaz 1 usd por missão. Se olharmos sob este prisma, vemos que não é muito aquilo que é pedido. 

Se algum defeito temos a apontar a Attack of the PETSCII Robots, apenas o elevado número de teclas (redefiníveis, felizmente). Facilmente se conseguiria tirar quatro ou cinco, melhorando a jogabilidade, nomeadamente no que diz respeito ao uso do armamento. Não é fácil ao início colocarmos as bombas, e com tantas teclas, o mais frequente é enganarmo-nos. Mas lá está, ao fim de algum tempo habituamo-nos e então começamos a apreciar o jogo em toda a sua plenitude.

Attack of the PETSCII Robots é assim uma bela surpresa que, infelizmente, nos parece que vai passar despercebido à maior parte das pessoas, sempre vorazes por um desafio imediato, mas quando aparece algo mais cerebral, tendem a esquivar-se. Na falta de um novo Laser Squad, isto é o mais parecido que podemos ter, o que diz muito. E ou muito nos enganamos, ou Alessandro Grussu, que ainda não deve ter "descoberto" este jogo, irá adorá-lo...

Mapa de Arkanoid Back to Basic emoldurado


Há algum feedback e pequenas notícias dos nossos leitores, que nos deixam imensamente felizes. A mais recente vem da parte de Ignacobo.

Em tempos, aquando da análise ao seu jogo Arkanoid Back to Basic, que por sinal gostámos bastante (e os jurados do GOTY 2021 também, pois é um dos nomeados na categoria Basic), fizemos um mapa de todos os níveis, que partilhámos juntamente com a análise. Na realidade deu-nos muito gozo construir este mapa e também desde logo percebemos que o programador também tinha gostado. O que não esperávamos foi que gostasse tanto ao ponto de o imprimir a cores e emoldurar.

Esta foi daquelas surpresas que contribuem para continuarmos a trabalhar com afinco em Planeta Sinclair. E ficámos tão surpreendidos, que não resistimos a mostrar a foto, como podem ver acima. E já agora, para quem deixou escapar o mapa da primeira vez, pode agora vir buscá-lo (imagem abaixo).

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Três programas italianos preservados


A dinâmica por trás da preservação atingiu um patamar inimaginável ha uns tempos atrás. São dezenas (e não estamos a exagerar) de programas descobertos todas as semanas (preparem-se, pois vamos ter um fim-de-semana de arromba). Os mais recentes foram-nos enviados por Cesare Falco, que conseguiu recuperar três programas da Rebit Computer, uma editora italiana que em tempos até já tínhamos partilhado alguns jogos.

Dois deles são típicas bases de dados (Biblioteca e Agenda), mas o terceiro (Word Processor), tal como o nome indica, é um processador de texto. E Cesare não se esqueceu da capa e das instruções.

Podem vir aqui descarregar estes três programas, e desde já o nosso agradecimento a Cesare Falco.

RS232 n.º 34


Temos hoje o número 34 da RS232, de Março de 1991. Vieram quase todos da colecção particular do António Vila-Chã (a maioria), ou do Vasco Gonçalves.

Venham aqui buscar o mais recente número da RS232.

Jogo do Galo (MIA)

Do lote que o David Nunes nos emprestou, encontrámos mais um interessante MIA nacional, ou pelo menos assim parece, a avaliar pelo ecrã de carregamento. Não conhecíamos este autor, Etelviro, mas o facto é que o programa parecer ser bem mais longo do que aqueles que costumavam aparecer como type-ins nas revistas.

Poderão vir aqui descarregar Jogo do Galo, continua a ser um desafio sempre actual.

Galagor recuperado

Depois de um fim-de-semana alucinante, com dezenas de recuperações de MIA's que nos foram enviados por Steven Brown (preparem-se, o próximo vai ainda ser mais emotivo), a preservação entrou na moda (e ainda bem). Assim, foi agora recuperada uma enorme aventura de 1987 por um dos leitores da Spectrum Computing: Galagor. Este nunca nunca tinha sido lançado, aumentando ainda mais a sua importância. E nota-se bem o dinamismo que essa temática ganhou nos últimos dias.

Poderão vir aqui buscar Galagor, para quem entende francês, é imperdível.

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

Os nomeados por categoria no GOTY 2021

 

E depois de ontem termos anunciado os elementos do júri, vamos hoje anunciar todos os jogos que  vão concorrer pela vitória em cada uma das categorias, incluindo a mais importante: GOTY.

Relembramos como tudo se processou. Em primeiro lugar foi dado uma lista bastante abrangente com 130 nomes de jogos aos elementos do júri para votarem. Os cinco jogos com maior pontuação por cada categoria (dez, no caso do GOTY), são os que hoje aqui anunciamos. São esses que vão lutar pela vitória final. Claro que neste momento já sabemos qual será o vencedor, pois as votações já decorreram. Mas isso iremos anunciar apenas durante a gala de 29 de Janeiro, que esperamos que assistam.

Mas vamos então aos candidatos por cada uma das categorias (por ordem alfabética):

Gráficos

Ecrã de carregamento
Som
Aventura e RPG
Plataformas
Aventura de texto

Plot (type-in)

O suplemento do MicroSe7e especializou-se em oferecer pequenos (e não tão pequenos) type-ins, para ensinar os seus leitores a programar. O que hoje deixamos é talvez o mais pequeno de todos, o que não admira, pois saiu precisamente no suplemento número 1. Ensina-nos então a trabalhar com a função PLOT, permitindo criar efeitos engraçados.

Poderão aqui descarregar Plot.

Saiu Snakez+, Planet War e Pac-Man


Graças a Arnau Jess, tomámos conhecimento de mais três pequenos jogos que foram lançados por uma editora italiana que desconhecíamos, a GLDM Games. Dois deles são mesmo clássicos, como é o caso de Pac-Man e Snakez+. O terceiro, Planet War, mete-nos a fazer cálculos de trajectórias, naquele que nos parece o mais engraçado dos novos jogos.

Os jogos são gratuitos, mas uma pequena contribuição, nem que seja para um café, é sempre justa, podendo os mesmos serem aqui descarregados.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

À conversa com... André Luna Leão

Há uns meses que não publicávamos nenhum dos vídeos do Museu LOAD ZX Spectrum, devido a diversos outros compromissos. Para retomar o ciclo de vídeos iniciados em meados de 2021, foram gravados os dois últimos vídeos da série de 2021, e que agora vai ser passado no canal do museu. 

O primeiro vídeo faz um apanhado do que foi passando ao longo do ano e aproveita para passar uma conversa antiga com o André Luna Leão (entrevistado pelo João Diogo Ramos), mas onde são anunciadas algumas surpresas que estão ao virar da esquina.

Juntem-se assim a nós na Quarta, pelas 21h de Portugal. Estaremos online a comentar.

Elementos do júri do GOTY 2021

 

Hoje é dia de apresentarmos os veneráveis elementos do júri do GOTY 2021 de Planeta Sinclair. São todos bem conhecidos da comunidade e com competência e prestígio reconhecido para a tarefa a que se propõem. Desta forma, garantimos a idoneidade da votação, que será bastante abrangente, e a garantia que os melhores jogos estão presentes na gala.   

Vamos então às apresentações:

  • Dave Hughes (Spectrum Computing): a Spectrum Computing é actualmente a maior (e mais amigável) página dedicada ao Spectrum. Os seus administradores são elementos de referência na comunidade e que percebem, como ninguém de tudo o que esteja relacionado com o nosso computador de eleição. Além disso, o Dave é um programador de excelência e amigo pessoal, cujos jogos nos tem permitido passar para a nossa língua, disponibilizando-os depois pela comunidade.
  • Pavero (Spectrum Computing): mais um elemento bem conhecido da melhor página dedicada ao Spectrum, a Spectrum Computing. Mas além disso, desde 1998 que Pavero é responsável pela página Speccy Screenshot Maps, fornecendo à comunidade os tão desejados mapas de praticamente todos os jogos, usando uma técnica inovadora criada pelo próprio. Representa muito bem o Leste da Europa.
  • Mikhail Sudakov (Идеальный пиксель): vindo também do Leste, fundador da página Pixel Perfect (tradução livre para inglês), júri, tal como nós, da competição Yandex, produtor de Castlevania: Spectral Interlude, sendo responsável por termos traduzido este jogo para a nossa língua, é um jornalista com grande experiência em tudo o que esteja relacionado com os 8 bits. Além disso, conhece como ninguém os jogos que chegam do imenso mercado Russo.
  • Javi Ortiz (El Mundo del Spectrum): e não podíamos deixar a página Espanhola de referência de fora, não é? Não dispensamos diariamente de entrar em de El Mundo del Spectrum, assim como ver os vídeos de altíssima qualidade de Javi, sempre trazendo as novidades que chegam da imensa comunidade de língua Castelhana. Comunicador por excelência, que inclusive já nos convidou para o seu programa, é mais um valioso contributor na escolha do melhor jogo.
  • Arnau Jess: há muito que não perdemos pitada do seu programa semanal (Pildorita Dominguera), onde tem espaço para sempre fazer um resumo daquilo que se passa em Planeta Sinclair. Além disso, conhece em profundidade todos os jogos que saem para o Spectrum, ensina-nos a jogá-los, e é mais uma excelente adição ao nosso painel de jurados.
  • Robson Rangel: amigo brasileiro, que faz questão de experimentar todos os novos jogos que vão saindo, sempre apoiando as nossas iniciativas. Além disso, no seu currículo tem o galardão de ter sido o primeiro jogador a terminar Varina. Só por isso já merece ser um dos membros deste estimado júri. 
  • Miguel Cruz: proeminente personagem do panorama dos videojogos em Portugal, tem no seu currículo a organização de eventos do gabarito do LGW, escrevendo também para várias páginas dedicadas à temática dos jogos, casos da Rubber Chicken e Gold Coin. Além disso experimenta todas as novidades que saem para o Spectrum, conhecendo-as como a palma da sua mão.


  • Mário Viegas, Filipe Veiga e André Leão (Planeta Sinclair): e claro, não podiam faltar os elementos de Planeta Sinclair e da Espectroteam. O Mário Viegas, além de fazer parte do júri, ainda é o ideólogo deste evento, esboçou o logo do GOTY e criou o bonito cartaz do evento.
Não podemos também deixar de agradecer ao João Diogo Ramos, amigo pessoal, curador do Museu LOAD ZX Spectrum, e que desde o início apoiou a nossa ideia, prontificando-se, com grande esforço pessoal a "alojar" o evento, que vai assim ser transmitido em directo, via canal do museu, no próximo dia 29 de Janeiro pelas 21 horas, assim como ao Diogo Reis e ao Pedro Pimenta, responsáveis pelo apoio logístico e conteúdos para a gala.

Fiquem também atentos, pois em breve iremos anunciar quais os jogos candidatos ao GOTY. Foram os mais votados pelos elementos do júri, duma lista inicial bastante grande.

domingo, 16 de janeiro de 2022

Peepy (MIA)


E para terminar em beleza, um jogo para voyeurs. Peepy é alemão (pensavam que eram apenas os portugueses que tinham Paradise Café, Sex Crime e quejandos?), e traz uma versão de Hangman onde a ideia é ir subindo a árvore, para espreitar aquilo que está a acontecer de forma bastante sugestiva numa das janelas. Mas se errarmos três letras, vem a polícia e mete-nos na pildra.

Poderão vir aqui descarregar Peepy, um jogo apenas para adultos, preservado por Steven Brown.

Sunday School Chorus (MIA)


A noite já está adiantada e está na hora de colocar a criançada na cama, até porque a preservação seguinte já é apenas destinada a adultos. Mas enquanto isso não chega, corram este programa preservado por Steven Brown, e vão ver como os petizes adormecem rápido...

Poderão aqui descarregar Sunday School Chorus. Não aconselhável a ateus (como nós)...