quarta-feira, 19 de junho de 2019

Music (MIA)


Nas cassetes que o Fernando Calheiros no emprestou, entre algumas preciosidades que ainda iremos colocar, vinha um curioso tutorial e programa para criação de música. Muito simples, escrito em Basic, parece ser um type-in de alguma revista ou pertencer às compilações de cassetes do género das lançadas pela Spectrum Computing. Desconhecemos, e apenas com o nome de "Music" também não é fácil dar com a sua origem, nem mesmo entrando na listagem do programa.

De qualquer forma encontra-se agora aqui devidamente preservado.

Programas técnicos de Eurico da Fonseca (MIA)


Continuando na senda de disponibilizar os programas encontrados no lote que pertencia ao espólio de Eurico da Fonseca, apresentamos desta vez um conjunto de pequenos programas técnicos que seguramente ajudaram o cientista nos cálculos dos seus projectos. Isto para nós é chinês, obviamente, mas tem um valor histórico inestimável.

Encontra-se agora na nossa dropbox, podendo aqui ser descarregado.

terça-feira, 18 de junho de 2019

41. Starstrike II

Jogos80 - Edição Especial 15 Anos em Pré-venda


Começou hoje a pré-venda do nº21 da revista Jogos80, uma edição muito especial pela comemoração dos 15 anos do seu surgimento.

Esta próxima edição terá, pela primeira vez, oitenta páginas (sendo a maior realizada até hoje) e os compradores poderão também ter a oportunidade de ter acesso, sob a forma de bundle, a um jogo exclusivo para ZX Spectrum.

Este jogo está a ser concebido pelo Filipe Veiga (programação e gráficos) com a participação de Pedro Pimenta (música) ambos membros deste blog e da Revista Espectro e será editado em cassete ou disquete 3,5", ficando o formato à escolha do comprador.


Além de tudo isto, ainda existirá a possibilidade de adquirir uma caixa desenhada pelo Leonardo Bussadori para guardar os exemplares soltos da revista, ficando agora com melhor aspeto na estante para quem comprou o livro-compêndio feito há alguns anos com os primeiros números da revista.

Para finalizar, todos os bundles terão direito a um poster A3 de grande qualidade em papel couchê com dois lados cujo tema será surpresa.

Transcrevemos a informação dos vários pacotes com os valores em euros, sendo que para Portugal, como é obvio, os portes serão sempre mais elevados:

Pacote 1 - Revista Jogos 80 com o poster em A3: 8,09€ + portes.

Pacote 2 - Revista Jogos 80 com o poster e a caixa: 11,57€ + portes.
OBS.: pacote limitado a 85 exemplares.

Pacote 3 - Revista Jogos 80 com o poster, a caixa e o jogo em cassete: 20,84€ + portes.
OBS.: pacote limitado a 40 exemplares.

Pacote 4 - Revista Jogos 80 com o poster, a caixa e o jogo em disquete de 3,5": 20,84€ + portes. OBS.: pacote limitado a 20 exemplares.

Para mais informações, agradecemos que consultem o post no grupo oficial da Jogos80, aqui.

Aqui poderão fazer a vossa encomenda ou colocar alguma questão que tenham diretamente aos responsáveis pela revista.

Lost Little Spaceman

Tínhamos anunciado Lost Little Spaceman como sendo um novo jogo para o ZX Spectrum. Acontece que ao testarmos percebemos que se trata apenas do primeiro nível, uma espécie de demo, de um jogo que está disponível na Google Play, Apple Store e Kindle Fire. O autor tinha informado que se tratava do primeiro nível, mas por lapso não nos apercebemos dessa informação.


Esperemos que o autor converta-o na totalidade, para o ZX Spectrum, já que o mesmo tem muito potencial, no que diz respeito à inovação e mecânica na jogabilidade. Quem quiser testar a versão completa pode aceder ao site do autor, e descarregar o jogo no sistema pretendido.

Sobre a versão do Spectrum:

Lost Little Spaceman é o demo do jogo para o ZX Spectrum 48K, feito em AGD e, posteriormente, retocado em AGDX. É um jogo de plataformas e aventura em que controlamos um astronauta perdido num labirinto, onde temos que encontrar a saída. Pode parecer mas não é o genérico jogo de plataformas, uma vez que o autor criou uma pequena reviravolta ao adicionar o conceito de gravidade, algo que dá um toque bem original, nesta sua primeira incursão no Spectrum.



Caso queiram testar o demo, para o ZX Spectrum, poderão fazê-lo clicando aqui.

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Turbo Esprit


Nome: Turbo Esprit
Editora: Durell Software
Autor: Mike A. Richardson, Dave Cummings
Ano de lançamento: 1986
Género: Acção
Teclas: Redefiníveis
Joystick: Não
Memória: 48 / 128 K
Número de jogadores: 1

Das minhas memórias de adolescente relacionadas com o Spectrum, Turbo Esprit é dos jogos que melhores recordações me traz. Não que tivesse alguma pancada por carros (nunca o tive), mas conduzir um Lotus Turbo Esprit como o do ecrã ao lado era realmente uma experiência gratificante e que não conseguiria ter doutra forma que não fosse através de um computador. Até porque ainda faltariam muitos anos para poder estar habilitado a ter carta de condução.

Outra das recordações que tenho deste jogo é que nunca entendi bem o que se pretendia. É natural, pois apenas tinha em meu poder um "original" tuga, quer isso dizer uma cassete pirata, sem instruções ou algo do género. Mas com o ecrã da Durell a oferecer uma recompensa para quem denunciasse os piratas... No entanto, mesmo sem perceber os objectivos, delirava andar a conduzir por uma das quatro cidades disponíveis, pois era a sensação mais próxima de conduzir um carro que poderia ter nessa altura (a não ser que falássemos em carrinhos de rolamentos).

E será que estas sensações se mantém mais de trinta anos depois? Foi isso que fomos experimentar, carregando a velhinha clam shell do Turbo Esprit, desta vez lendo as instruções que se encontram no reverso da capa. E incrivelmente, passado tantos anos, pouca diferença se nota. Turbo Esprit continua a ter uma jogabilidade muito acima da média, e não nos cansamos de passear nas ruas da cidade ao volante deste bólide. E não deveríamos dizer aqui, mas continuamos a não nos preocuparmos muito em evitar atropelar os peões ou a destruir os carros civis que inocentemente se atravessam à nossa frente, e que nos concedem pontos de penalidade.


Mas vamos então aos objectivos. A nossa missão é apanhar, em cada uma das quatro cidades, quatro traficantes de drogas mais o carro abastecedor. Mas isso exige alguma estratégia se queremos fazer uma pontuação decente. Por um lado, devemos aguardar que o carro abastecedor faça a entrega a cada um dos traficantes e só depois os deveremos tentar apanhar (e no fim o carro abastecedor). Por outro lado, se os traficantes nos topam, isto é, se nos aproximamos muito deles antes de ser feita a entrega, esta não é efectivada e pouco ganho temos em apanhá-los. Assim, temos que aguardar pacientemente, mais ou menos nas proximidades da entrega (o painel de bordo vai dando indicações de onde são feitas e onde andam os traficantes), para só depois conduzirmos que nem uns loucos atrás dos criminosos.

A perseguição é feita ao volante da nossa viatura, que atinge as 150 mph. O ecrã mostra-nos uma panorâmica das ruas da cidade, e mais ou menos ao centro, a nossa viatura. Carregando nas teclas da esquerda e direita esta vai mudando de faixa. No entanto, quando chegamos a cruzamentos, teremos que mudar de direcção, aí sendo necessário carregar na tecla de disparar, que permite o carro fazer uma viragem de 90 graus. Convém ainda estarmos com atenção à gasolina e ao aquecimento do motor, sendo que nestes casos poderemos socorrer-nos dos postos de combustíveis que se encontram pela cidade. Além de que não é muito conveniente não respeitar as boas práticas e regras de condução.


Perante isso tudo, só poderíamos considerar Turbo Esprit como um mega jogo, daqueles que não nos cansamos de jogar e jogar, nem que seja porque conduzir a viatura, mesmo sem pensar nos objectivos a cumprir, é extremamente gratificante. E mesmo depois de limparmos o sebo a todos os traficantes, há sempre novos motivos para aqui voltar. E vruuuummm, aqui vamos nós dar mais uma voltinha pela cidade...

domingo, 16 de junho de 2019

Férias em Portugal (MIA)


Férias em Portugal é mais um programa da Astor, tendo sido criado em 1984 por António Portugal (nem de propósito). Estamos aqui perante um jogo didáctico, bastante actual, diga-se (ensina-nos o valor de poupar dinheiro e o ambiente - a Terra agradece). A ideia é fazer uma tour por mais de duas dezenas de localidades no nosso país.

Apesar de ter sido criado em Basic, o que se nota em alguma lentidão, os gráficos estão bem conseguidos, ainda mais para a época em que foi lançado (nos primórdios do Spectrum). A provar que a Astor não faria má figura em Espanha ou no Reino Unido.

Férias em Portugal pertence à colecção privada de Afonso Gageiro, mas que gentilmente preservou o jogo / programa, permitindo à comunidade ter acesso a mais esta pérola, bastando para isso apenas vir aqui descarregá-lo.

sábado, 15 de junho de 2019

Novo Jogo: Mr. Do!

Em Fevereiro de 2018 tínhamos anunciado a preview de Mr. Do! onde apontávamos como sendo, possivelmente, um dos grandes jogos para 2018. Estávamos quase esquecidos do mesmo, quando finalmente Adrian Singh e Mark R. Jones, antigo artista gráfico da OCEAN, decidiram disponibilizar ao grande público a conversão para o ZX Spectrum, de um clássico dos Arcades dos anos 80.


A conversão do jogo está disponível para o ZX Spectrum 48K e 128K, mas para tirarem melhor partido da adaptação é essencial jogarmos a versão 128K. O jogo tem uma velocidade frenética, retendo todos os elementos da conversão original, daquilo que pudemos observar do pouco que testamos.


Podem descarregar o jogo clicando aqui, enquanto não sai a nossa crítica.

Novo Jogo: Being Left is Not Right

Graças ao AGD temos quase todas as semanas um novo jogo. Mesmo com as suas limitações, os programadores parecem conseguir novas formas de inovar na jogabilidade das suas criações, como é o caso do Being Left is Not Right, que é um misto de plataforma e Shoot 'em' up, é o qual controlamos o nosso personagem e a nave em simultâneo.


São 15 níveis de acção e aventura, criados pelo autor Carlos Pérezgrín e disponível para os modelos ZX Spectrum 48K e 128K

Podem descarregar o jogo clicando aqui, enquanto não sai a nossa crítica.

Top jogos mais vendidos Junho 1984

Junho de 1984 foi mês da Ultimate, com o regresso de Atic Atac ao primeiro lugar do top e Lunar Jetman imediatamente no lugar seguinte. Além disso Jetpac regressa também ao top 10, naquele que foi um mês glorioso para a mítica software house.

Também há um ressurgimento do interesse em Ant Attack, voltando ao top 3 e Chequered Flag e Flight Simulation continuam a vender bastante, o que não deixa de ser estranho, dado que o mercado estava a ser inundado com muitos jogos novos.

Finalmente, directamente para o quinto lugar, Jet Set Willy, que ao longo dos meses seguintes foi campeão de vendas.

sexta-feira, 14 de junho de 2019

A Capital: POKES & DICAS - 08 e 15 Maio de 1987


Hoje é dia de disponibilizarmos dois suplementos do Pokes & Dicas para todos os leitores.

Temos as rubricas do costume, bem como os seguintes jogos em destaque:



  • Elevator Action - Um bom jogo de acção e plataformas que retém a sua jogabilidade, pecando apenas na dificuldade em descer ou subir as escadarias;
  •  Short Circuit - Popular na altura, mas dentro do genero de aventura é um pouco repetitivo e sem muitas qualidades adictivas nos dias de hoje;
  • The Sidney Affair - Com bastante mérito na época, mas achamos que é outro jogo com uma jogabilidade datada;
  • Feud - Mediano aos olhos do Daniel Lima, e aos nossos também, mas com alguns fãs que idolatram a jogabilidade do jogo, e o design artístico da capa. 
Suplemento disponível na nossa Dropbox.

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Tutorial para preservação de .tzx

Como converter uma cassete para Tzx

Apesar de estarem disponíveis perto de trinta mil programas e jogos para o Spectrum e seus clones, se não para descarregar, pelo menos para jogar, ainda muitos permanecem perdidos em combate (no original Missing in Action, ou MIA). Nesta categoria encontram-se muitos programas lançados pela Astor, mítica editora portuguesa, ou a Timex Portugal, que relançou vários títulos de outras editoras, devidamente traduzidos para a nossa língua.

Aos poucos temos vindo a encontra velhas cassetes com estes jogos e a proceder a um meticuloso trabalho de preservação dos programas. Isso implica convertê-los para o formato .tzx, para que se possa então voltar a gravar para uma cassete e utilizar tal e qual como o original.

Não é um trabalho fácil, mas vamos descrever aqui todos os passos que deverão ser dados para que também o leitor, ai em casa, possa preservar os seus programas e torna-los do domínio público. Para isso necessitará de três diferentes programas, todos open source ou freeware:
  • Um copiador (The Key ou Pirata, p.e.)
  • Um programa de gravação e edição de ficheiros áudio (Audacity, pe)
  • Um conversor de Wav em tzx (Wav2tzx, pe)
Como criar um ficheiro Wav:

1. O primeiro passo será criar um ficheiro áudio do programa. Para isso ligam o leitor de cassetes ao vosso PC. Podem utilizar a ficha que usam normalmente no vosso Spectrum, ligando a porta Ear do leitor de cassetes, à porta mic do PC. Abrem o programa Audacity e seleccionam as seguintes configurações, por forma a melhorar a captura do som:
  • MME
  • Microfone (dispositivo de áudio)
  • 1 canal de gravação
  • Altifalantes (dispositivo de áudio)
  • 44100 (Hz)
  • Volume de gravação: preferencialmente entre 0,60 e 0,65, mas varia conforme a qualidade de som da cassete que vão converter

Nota: podem aumentar a foto de cima, para melhor resolução:

2. Depois de devidamente configurado (audacity), ajustar o volume de saída do vosso leitor de cassetes, por forma a que o som não fique distorcido ou com demasiados graves, no fundo afinar o azimute como normalmente fazem para que os jogos carreguem sem problemas. Vai depender do leitor de cada um e da própria cassete gravada, mas a tendência será para se utilizar um volume intermédio. Este é um processo de tentativa e erro e que só com a experiência terão sensibilidade para de “ouvido”, acertarem com o volume correcto à primeira.

3. Colocar o leitor de cassetes no play e o Audacity no rec (botão vermelho). Quando terminarem a leitura do programa, param também a gravação.

4. No menu “ficheiro”, seleccionar “exportar áudio”, e no menu “guardar com o tipo”, seleccionar “Wav Microsoft signed 16-bit PCM”

5. Neste momento passaram o programa da vossa cassete para um ficheiro áudio.

Para converter o ficheiro áudio em tzx:

1. Abrir o Wav2tzx com a linha de comandos (depende do sistema operativo que possuem, mas está dentro do menu “Sistema Windows”)

2. Posicionarem-se no directório onde gravaram o ficheiro áudio (não esquecer que “cd /” coloca-vos na raiz e “cd [nome]” leva-vos para o directório pretendido)

3. Utilizar um das seguintes funções, conforme o som esteja mais ou menos distorcido: wav2tzx –filter [nome].wav ou wav2tzx [nome].wav (ver imagem)


4. A conversão será automática e quando é bem-sucedida, conseguem visualizar o nome do programa na linha de comandos. Poderão então abrir o ficheiro criado com um emulador ou gravar o ficheiro para uma cassete.

No entanto, quando a qualidade da gravação da cassete for insuficiente e não conseguirem passar o ficheiro para o vosso PC através do Audacity, aconselhamos a primeiro copiar directamente através do Spectrum o programa para uma nova cassete (com um copiador), permitindo melhorar substancialmente a qualidade de gravação, aumentando assim as hipóteses da conversão para wav ser bem-sucedida.

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Microsoft (Edições Latinas) (MIA)


A Edições Latinas especializou-se em lançar compilações de pequenos jogos e type-ins, em geral traduzidos do castelhano, acompanhados de uma revista. Foram várias os números lançados neste formato (revista acompanhada da cassete), e tudo indica que a Microsoft também levou o mesmo tratamento. Infelizmente não temos as revistas, mas numa feira, no meio do chão, com um aspecto mais que desprezado, encontrámos as quatro primeiras cassetes. Nem pensámos duas vezes, trouxemos as cassetes e não é que após levarem tratamento spa (secar as humidades, desmagnetizar, limpar, etc.), os programas funcionaram logo à primeira?

Deixamos agora aqui o resultado deste golpe de sorte. Caso tenham os restantes números ou as revistas, pedíamos que nos fizessem chegar para futura preservação (serão imediatamente devolvidos).

Recuperado o .tzx de Para Cima ou Para Baixo?


Para Cima ou Para Baixo? de Nuno Tomé (1990) não é propriamente um MIA, no entanto o ficheiro original (.tzx) carecia de ser preservado. No WoS é disponibilizado um .txz, mas na realidade não é o verdadeiro, antes um ficheiro criado com o Make TZX ou similar. Com o que agora recuperámos, poderão ver o ecrã de carregamento em todo o seu esplendor, e já agora tentar também a sorte (ou azar) neste jogo de cartas.

E quem foi o responsável? O Afonso Gageiro, pois claro, que descobriu um método de através dos ficheiros .z80 recuperar o original, tendo uma taxa de sucesso de quase cem por cento (ver os trabalhos quer preservou de Henrique Oliveira).

Para Cima ou Para Baixo poderá aqui ser descarregado.

terça-feira, 11 de junho de 2019

42. Fairlight

A Capital: POKES & DICAS - Novas Digitalizações


Informamos toda a comunidade do ZX Spectrum, que iremos dar início nesta semana à segunda fase das digitalizações da secção Pokes & Dicas do jornal A Capital. Agradecemos uma vez mais ao Rui Santana, por nos ter disponibilizado os recortes do seu acervo pessoal.


Mas mesmo após todas as publicações que iremos disponibilizar, até Janeiro de 1992, continuaremos com muito material em falta, especialmente nos seguintes casos: suplementos que começaram a sair ao sábado, com alguns hiatos semanais, digitalizações que temos incompletas bem como os anos posteriores à data referida.

Agradecemos que nos contactem caso tenham material não publicado, como forma de podermos digitalizar e disponibilizar o que está em falta.

Suplementos disponíveis na nossa Dropbox.

segunda-feira, 10 de junho de 2019

O mistério por trás de US Gold Strip Poker


Qual o mistério que está por trás deste US Gold Strip Poker? Oficialmente o jogo apareceu em vários formatos, e chegou a aparecer para o Spectrum em 1984 numa versão na língua alemã criada por Andreas Niemann. E pelos vistos uma segunda versão, esta não oficial (ver imagem acima), esteve também à venda em Portugal, pois o próprio suplemento Som & Imagem do DN falou sobre o jogo (imagem ao lado), assim como o Pokes & Dicas do jornal A Capital. A versão que possuo estava numa cassete pirata gravada em 1987, obtida de um amigo, mas estava longe de imaginar que o jogo "não existia", pelo menos de forma oficial.

Analisando o ecrã de carregamento, verifica-se que estamos perante uma versão não oficial da responsabilidade de um MALF, que pegou na versão Atari para fazer a adaptação. Mas a versão que aqui temos foi posteriormente pirateada por um português, pois até apresenta um primeiro ecrã na nossa língua com as teclas a serem utilizadas.

De resto estamos perante um normalíssimo jogo de poker, fazendo lembrar Samantha Fox Strip Poker, embora não tenhamos aqui o atractivo de uma pop star. No entanto existem duas miúdas para despir, correspondendo a dois níveis de dificuldade, a Melissa mais para amadores, a Suzi para os profissionais do bluff.

Quem quiser descarregar o jogo, pode aqui fazê-lo, estando agora disponível digitalmente.

domingo, 9 de junho de 2019

Saboteur II: Avenging Angel


Nome: Saboteur II: Avenging Angel
Editora: Durell Software
Autor: Clive Townsend
Ano de lançamento: 1987
Género: Ação
Teclas: Redefiníveis
Joystick: Não
Memória: 48/128K
Número de jogadores: 1

Não foi preciso muito para Clive Townsend (poderão aqui consultar a entrevista exclusiva que a Espectro lhe fez) se tornar um dos programadores mais conhecidos do Spectrum. Bastou lançar Saboteur, e dois anos depois a sequela, substituindo o ninja masculino pela sua irmã e aumentando enormemente o número de ecrãs onde decorre a acção (mais de setecentos). Esta desenrola-se agora num grande complexo, instalado numa montanha, onde nem sequer falta o silo de mísseis. Aliás, se estiverem com atenção ao ecrã de carregamento, o mapa que ai consta ser-vos-à muito familiar.

E a primeira tarefa será mesmo desenhar o mapa do complexo. Isto porque existe um tempo limite para cumprirem com a missão (já lá iremos), e não terão tempo para andarem perdidos (tal como de resto já acontecia na primeira aventura). Assim, logo que saltam da asa dela que vos permite aceder ao complexo (a sequência inicial está fabulosa), e após pararem uns segundos para recuperar a energia, convém dar corda aos sapatos.


Para conseguirem ser bem-sucedidos terão que recuperar alguns discos roubados. O seu número depende do nível em que estão a jogar. Estes discos estão espalhados ao longo do complexo, escondidos em caixas, e terão que memorizar os seus locais. É que  a guardar o edifício estão robôs (ao contrário da primeira aventura, agora necessitam de mais golpes para serem derrotados), pumas e até morcegos. O contacto com os inimigos resulta na perda de energia, que pode ser recuperada se descansarem. Mas para isso perdem preciosos segundos, e se nos níveis iniciais ainda se consegue controlar relativamente o tempo disponível para a missão, uma vez que existem menos discos a serem recuperados, no nível oito não terão sequer tempo para respirar.

Depois de recuperarem os discos terão que os validar (fundamental para redireccionar o míssil), mas para isso necessitam de aceder a um terminal que fica junto ao silo. E se estiverem no último nível, terão ainda que desactivar a electrificação na vedação, única forma de sair da montanha.


Apenas poderão iniciar o segundo nível após terminarem o anterior, e assim por diante, sendo gerado um código de acesso sempre que terminam uma missão. E já agora algo estranho, o oitavo nível é efectivamente o mais difícil, pois a diferença em relação ao nono e último é apenas a vedação não estar electrificada, no entanto começam com muito menos tempo disponível. Tendo em conta que o terminal para desactivar a electrificação até está próximo do terminal onde inserem os códigos para validar os discos, e também que no último nível começam com o tempo máximo disponível, rapidamente se constata que este não é o mais complicado.

Depois de cumprirem com as tarefas inerentes a cada nível, poderão finalmente procurar a mota que vos permite escapara a todo o gás do complexo, numa sequência mais uma vez brilhante.


Pouco mais há a acrescentar. Uma jogabilidade imensa e cenários muito apelativos fazem de Saboteur II tão ou mais viciante que a primeira aventura. Assim que lhe pegam, não descansam enquanto não deambulam pelo complexo todo e terminam cada uma das missões que vos é proposta. Mas desde já avisamos que não vai ser tarefa fácil.

sábado, 8 de junho de 2019

Slot-Machine (MIA)


Slot-Machine foi um jogo obtido a dois tempos. Há uns meses valentes, Jose Manuel, de El Trastero del Spectrum, enviou-nos um .tzx de mais esta edição da Timex (juntamente com muitos outros que temos vindo a disponibilizar). Deixámos em lista de espera, pois não tínhamos a capa ou instruções, mas num golpe de sorte, conseguimos adquirir o original, que ainda por cima vinha completo e em perfeito estado de conservação. Pudemos assim completar mais este lançamento, que pode aqui ser obtido.

Aparentemente é o Jackpot da CRL, como nos foi indicado pelo seguidor do blogue Miguel Cruz.

O jogo, apesar de reportar aos primeiros tempos do Spectrum, é dos mais completos que vimos sobre este tema, merecendo bem uma espreitadela...

sexta-feira, 7 de junho de 2019

A Capital: POKES & DICAS - 02 Maio de 1987


Começamos o mês de maio da melhor maneira com o destaque ao concurso « Basicando» com «A Capital» e Triudus.

No restante suplemento temos as rubricas do costume, destacando ainda os seguintes jogos em análise: Vulcan, Winter Wonderland e o Krak Out.


Suplemento disponível na nossa Dropbox.