domingo, 27 de setembro de 2020

Transylvanian Castle

Nome: Transylvanian Castle
Editora: Filosoft
Autor: Fito, Siyei
Ano de lançamento: 2020
Género: Estratégia
Teclas: Não redefiníveis
Joystick: Não
memória: 48 K
Número de jogadores: 1

Transylvanian Castle teve como inspiração The Oracle's Cave e The Runes of Zendos, dois dos jogos preferidos de Siyei-Er, o programador. A acção foi transportada para um castelo na Transilvânia, local com uma simbologia mística, não fosse o seu dono Vlad, o Empalador, mais conhecido como o Conde Drácula, que logicamente faz a sua aparição no jogo. Mas em termos de mecânica vai beber muito aos dois jogos mencionados, como iremos ver.

Syyei, além de ter lançado o jogo na sua língua natal, o castelhano, ainda traduziu para inglês e português, incluindo o extenso manual que o acompanha. Tem alguns lapsos perfeitamente perdoáveis, e entretanto oferecemo-nos para ajudar a corrigir pequenos erros de tradução, pelo que deverão ter uma versão "limpa" dentro de pouco tempo. De qualquer forma, isso não impede que se usufrua com máximo aproveitamento de Transylvania Castle, até porque estamos perante um desafio simples, mas cativante. Além disso programado em Basic compilado, linguagem que voltou (e ainda bem) a estar na moda.


Mas comecemos com um pequeno lamiré da história. Assim, os habitantes da Transilvânia estão muito preocupados com uma estranha praga que assola a região, matando os seus habitantes. E suspeitam que na origem desta maldição esteja o Conde Drácula, uma personagem estranha que vive num castelo sinistro perto da cidade e do qual ninguém jamais voltou. Para resolver o mistério foi contratado um professor especializado em "casos raros", o professor Van Helsin. Ou seja, nós. Infelizmente, a carruagem em que viajámos a caminho do castelo sofreu um acidente e, ao acordarmos, encontrámos no pescoço umas estranhas marcas, sinal inequívoco de que também sofremos na pele a maldição. Além disso, fomos parar ao castelo, pelo que agora temos não só que encontrar o seu estranho dono, como encontrar a chave que permite abrir a porta da entrada. E para isso tudo, temos apenas três dias (de cada vez que passamos de uma sala para outra, esgota-se uma hora).

A guardar as salas do castelo e os seus tesouros encontram-se inúmeros inimigos, desde o mais fraco, a aranha, até ao dragão, o mais forte. Cada um deles tem características próprias, nomeadamente o nível de energia, o dano que infligem, a possibilidade de nos infligirem dano e a quantidade de ouro que guardam. Além disso, por vezes guardam outros objectos, fundamentais para conseguirmos avançar na exploração do castelo. Desde a comida e a poção, que restauram um pouco da nossa energia, ao pergaminho, que não só aumenta o nível máximo de energia que podemos ter, mas também a restaura na totalidade, e ainda armas e escudos defensivos. 

Armas existem de cinco diferentes tipos, enquanto que dos escudos temos de dois tipos, obviamente todos com poderes distintos. É fundamental ler-se o manual antes de começarmos a deambular pelo castelo para apreendermos toda esta informação, mesmo estando a maior parte descrita no ecrã de jogo.


Existem ainda mais quatro personagens especiais, sendo uma delas o próprio Conde Drácula, cada uma delas requerendo um objecto diferente para ser eliminada. Neste caso, sem esse objecto, não vale a pena sequer entrar em confronto, pois é a nossa morte imediata.

O primeiro passo é explorar um pouco o castelo. É necessário algum cuidado, pois o tempo é curto e há que planear muito bem o caminho a fazer para não se perder tempo (jogadas) em movimentos desnecessários. Desde já podemos dar alguns conselhos úteis. Assim, não vale a pena entrar à maluca em confronto com todos, pois isso apenas leva a uma morte prematura. É importante encontrar desde logo uma arma, potente, se possível, e um escudo. Depois de termos esses objectos nas nossas mãos (esquerda e direita), vemos que as chances de sairmos vitoriosos das batalhas e sem grande dano, começam a jogar a nosso favor. Por outro, há que dosear muito bem os momentos em que ingerimos a comida ou a poção. Esticar ao limite a energia até se encontrar o pergaminho, pode ser uma boa estratégia. Além disso, o mais importante: escolher os inimigos pela ordem certa, sempre analisando quais os objectos que têm em seu poder e que vão contribuir para aumentar as nossas chances de sucesso. Por fim, alguma sorte, pois sem ela também não vamos longe. 

Pela descrição já perceberam que estamos perante uma aventura do género RPG, com muita estratégia à mistura. Sendo um jogo pausado, que se desenvolve "jogada a jogada", mal se nota a lentidão derivado da linguagem com que foi criado. Pelo contrário, até lhe dá algum charme e contribui para termos uma experiência ainda mais gratificante. Faz-nos também lembrar Ernesto's Adventure, um pequeno jogo que apesar de ter passado despercebido à comunidade portuguesa e espanhola, teve uma pontuação muito meritória na competição Yandex. E tal como esse jogo, também Transylvanian Castle nos cativou, quase que apetecendo pedir ao programador para criar mais níveis e desafios.

1 comentário:

  1. Oi bom dia. Tudo bem? Sou brasileiro, carioca e quero apresentar o meu Blogger. Novos amigos são bem vindos, não importa a distância. Gostaria de lhe convidar a seguir o meu Blogger. Sou o seguidor 146.

    https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

    ResponderEliminar