terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Two Days to the Race


Nome: Two Day to the Race
Editora: Zenobi Software
Autor: Davide Bucci
Género: Aventura de texto
Ano de lançamento: 2019
Teclas: NA
Joystick:  NA
Memória: 48 K
Número de jogadores: 1

Definitivamente as aventuras de texto voltaram em força e estão para ficar. A mais recente vem de Itália, está relacionada com carros (claro), e coloca-nos na pele de Emilia Vittorini, filha de Augusto Vittorini, fundador, juntamente com o seu irmão Tullio, da Industria Torinese Automobili (ITA). Augusto está presentemente a tentar obter fundos para um protótipo, mas as coisas deram para o torto e não sabemos agora onde ele se encontra nem o que se passou. Cabe a nós deslindar o mistério.

Two Days to the Race é composto por quatro partes em três ficheiros, acessíveis por meio de uma palavra-passe. De facto, este parece-nos o melhor sistema para seleccionar os diferentes níveis, bem mais funcional para quem joga em emuladores do que o utilizado em Bulbo's Intrepid Adventure, por exemplo.

As diferentes partes do jogo decorrem efectivamente em cenários distintos. Assim, na primeira parte estamos na nossa mansão. E esta é enorme, ao qual não falta um frondoso jardim e uma garagem com dois potentes bólides. Devemos já dizer que a nossa personagem segue as pisadas do pai, sendo portanto uma piloto experimentada. Convém também não esquecer o período em que se passa a aventura (por volta dos anos 20/30 do século passado), sendo os adereços necessários para conduzir em consonância com a época.


Se descobrirmos a forma de sair da mansão (Villa), é-nos dada a palavra passe para iniciar a segunda parte. Nesta, estamos à porta do Museu de História e temos que arranjar forma de nos encontrarmos com o Director, grande amigo do nosso pai e peça-chave para resolver o mistério.

Se o conseguirmos, avançamos para a terceira parte, passada na universidade, e se as duas primeiras eram relativamente imediatas (e não muito grandes), aqui as coisas começam a complicar-se. Aparentemente a universidade está vazia, mas estará mesmo? Será que os maus da fita se encontram por aqui? É isso que teremos que descobrir, mas apenas após nos embrenharmos nos subterrâneos de Turim, adequadamente chamados de "Infernotto".

Finalmente, na quarta parte acordamos dentro de um vagão, às escuras e despojada de qualquer objecto (salvo as roupas, pois claro, já que os bandidos eram maus, mas não eram tarados). Esta parte é bastante curta e a palavra-chave para desbloquear a aventura não foi a mais feliz, mas o programador irá revê-la, permitindo de modo mais lógico terminar a mesma.


Two Days to the Race é uma aventura absorvente e na qual entrámos de corpo e alma (tal como em Unhallowed). Tem uma história apelativa, em que mais uma vez entra um gato (conta sempre a favor de qualquer aventura), e cuja diversidade de cenários lhe dá alguma cor, sem que para isso exista qualquer imagem. Não atinge a mesma bitola de Unhallowed apenas pelo facto dos quebra-cabeças, apesar de serem mais ou menos intuitivos, não serem por vezes os mais lógicos. E também por um ou outro pequeno erro de tradução ou frases menos adequadas, que no caso da última parte se torna relevante.

De qualquer forma, é mais uma excelente aventura a aparecer e que vai agarrar qualquer jogador. E mesmo aqueles que não gostam do género, depressa vão ficar viciados em Two Days to the Race, entrando na pele de Emilia, para tentar resolver o enorme mistério que ensombra a sua família.

Fica também prometido um mapa completo para breve.

Sem comentários:

Enviar um comentário